PRESIDENTE DA CÂMARA DIZ QUE GUIMARÃES “VIVE BEM” SEM ÁGUAS DO NORTE

André Coelho Lima questionou o executivo sobre a posição do município em relação à deslocação da empresa para Barcelos. Domingos Bragança sublinha que não é “drama nenhum”.

O vereador do PSD, André Coelho Lima, estranha a “falta de pressão pública” do Presidente da Câmara de Guimarães em relação à deslocação dos serviços da Águas do Norte para Barcelos e Vila Real.

“A deslocação parece ser certa. A verificar-se a perda desta empresa pública em Guimarães, é de facto, uma perda grande para nós e que ocorre por duas razões”, afirmou o vereador em declarações aos jornalistas.

André Coelho Lima recordou que esta situação só é possível devido à venda da participação social por parte da Câmara. “Éramos acionistas e em julho de 2015, numa votação que não teve o nosso voto favorável, Guimarães deixou de ter poder reivindicativo”, explicou André Coelho Lima, acrescentando que o presidente da Câmara “não consegue defender Guimarães”. “Imaginem se isto fosse no tempo de António Magalhães. Já tinha caído Carmo e a Trindade e feito barulho. Aquilo que é surpreendente é o silêncio. Não haver uma posição pública do autarca de Guimarães sobre quem tem que tomar estas decisões”.

O vereador afirmou que a saída da empresa do concelho vimaranense é uma “perda de importância de centralidade”

Na resposta, o presidente da Câmara, Domingos Bragança, frisou que Guimarães “vive bem” sem a Águas do Norte e assegurou que a empresa não vai despedir ninguém.

“O Ministro que tutela esta pasta disse que ia avaliar esta situação, mas que temos de ter em conta a racionalidade económica de uma empresa. A preocupação do presidente da Câmara de Guimarães é com a Vimágua. A Vimágua é a empresa pública municipal que trata de água em baixa e alta e do saneamento. Com muita pena minha, o saneamento em alta não está na Vimágua. O nosso interesse público é que a Vimágua tratasse do saneamento em alta”, referiu o autarca.

Domingos Bragança assume que “não é drama nenhum” e que a deslocação de 20 ou 30 colaboradores para Barcelos é “apenas uma deslocação de um contrato de trabalho”.

O edil recordou ainda que a Águas do Norte opera em “todo norte de Portugal” e “tem concelhos com outra importância, onde tratam da água e do saneamento”. O autarca vai mais longe, sublinhando que Guimarães tem outros pontos de referência e que “faria exatamente o mesmo, mas não entregava a concessão do saneamento em alta” à Águas do Norte.

Recorde-se que a empresa está a concentrar os seus serviços em Barcelos, onde tem instalações próprias, e em Vila Real. O polo de Viana do Castelo já foi encerrado, e segundo informações a que o Mais Guimarães teve acesso o mesmo está previsto acontecer na cidade berço a breve prazo.

Na realidade o processo já terá começado, com uma redução de pessoal a prestar serviço no edifício que a empresa mantém alugado ao Vitória, no Estádio D. Afonso Henriques. Estes funcionários que saíram do polo de Guimarães foram distribuídos pelas estações de tratamento.

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

©2018 MAIS GUIMARÃES - Super8

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?