A DEMOCRACIA DERROTADA POR FALTA DE COMPARÊNCIA

Por João Torrinha

Advogado e Presidente da Assembleia Municipal de Guimarães

Os anos 30 do século passado são uma realidade que já não existe na memória de quase ninguém. E no entanto, lemos os livros de história e constatamos que os dias de hoje tresandam aos tais anos que precederam a segunda grande guerra.

Para a mınha geração, essa foi sempre uma realidade que se lia apenas nos livros ou via nos filmes. Mesmo a nossa ditadura pátria, que durou muitos mais anos, não a vivemos. Nascemos com a democracia e não nos passa pela cabeça viver numa sociedade onde não exista liberdade de pensamento, de expressão, de associação, de movimento ou de imprensa. A minha geração cresceu com o processo de adesão à União Europeia, presenciou a chegada de inúmeros imigrantes, primeiro dos países africanos de expressão portuguesa, depois do Brasil, mais tarde dos países do leste europeu. Em anos mais recentes, muitos tiveram eles próprios de emigrar e procurar a sua realização pessoal e profissional noutras paragens.

É por isso com incredulidade que olhamos para o que se está a passar por esse mundo fora, com a ascensão de políticos que, de forma mais explícita ou mais encapotada professam uma ideologia nacionalista, autoritária, xenófoba, fascista.

O Brasil seria apenas e só o último exemplo, não estivéssemos a falar de um dos maiores países do mundo e irmão do nosso. Por esse motivo, angustia mais que uma nação maravilhosa como é aquela tenha acabado de eleger um presidente que aberta e publicamente já proferiu declarações anti democráticas, racistas, misóginas, populistas. Enfim, alguém que dedicou o seu voto no impeachment a Dilma Roussef à figura de um torturador. Julgo que isso seria o suficiente para afastar do pensamento de qualquer democrata que se preze vir um dia a dar-lhe o seu voto. Por muito que não gostasse da alternativa.

E no entanto, ganhou. Mais de cinquenta milhões de brasileiros entenderam confiar-lhe o futuro do seu país.

Ganhou e mais do que culpar quem votou nele, exercício sempre inútil, importa perceber por que ganhou.

Os resultados da governação anterior são, obviamente relevantes neste contexto, mas não são eles que podem explicar o que se passou. Porque, por muito maus que fossem (e em vários aspetos, foram-no) isso não justificaria que a alternativa fosse isto.

Ora, tenho para mim que talvez a principal causa para o que aconteceu seja a capitulação de muitos face a figuras como esta, algo que vem acontecendo um pouco por todo o mundo. Quando, por exemplo, nos EUA, alguns candidatos republicanos que foram literalmente insultados por Trump, hoje são seus fervorosos apoiantes, está tudo dito.

Entendamo-nos: quando alguém como Bolsonaro aparece, as questões esquerda/direita deviam imediatamente desaparecer. Já não se trata de preferir determinada ideologia em detrimento de outra. Do que estamos a falar é da sobrevivência do próprio regime democrático.

Quando assim é, não podemos normalizar estas figuras. Temos de ser radicais na sua confrontação. Infelizmente, o que se assistiu da parte de muitos políticos brasileiros foi a escolha de uma perigosa neutralidade. Uma falta de comparência à democracia.

Entre ser Churchill ou Chamberlain escolheram ser este último.

Muitos dirão que estou a dramatizar. Oxalá que sim, mas temo bem que não.

1 Comentário
  1. Zé Luís 2 semanas atrás

    Triste comentário de quem tem responsabilidades políticas!
    Julgar alguém porque defende uma ideologia política diferente da nossa, porque não partilha os ideais políticos que consideramos certos e insultá-lo logo com pré-conceitos formados e vazios de conteúdo no caso é muito triste.
    Depois, não esquecer que Bolsonaro foi democraticamente eleito pelos brasileiros, quem somos nós portugueses para condenar a sua escolha e acharmos que sabemos o que é ou não melhor para o Brasil? É muita presunção!

    Depois..tanta preocupação com o Brasil, quando cá temos comportamentos dos nossos políticos que deviam envergonhar o mais crente dos ingénuos!
    Talvez seja por isto que os nossos políticos tanto temem o Bolsonaro..porque de facto ele defende uma política de estado pro e para o Brasil..e isso assusta muitos dos nossos corruptos!

    E lições de democracia? Por amor de Deus..o senhor já teve um primeiro ministro que despediu alguém só porque em particular fez uma piada acerca de dita figura..puro despotismo!

    E porque se preocupa com o futuro do Brasil? Porque não se preocupa com o presente da Venezuela, da Coreia do Norte, Cuba..entre tantos outros exemplos?

    Talvez na próxima semana esteja a fazer uma feroz critica a Trump porque não deixou os migrantes entrarem nos EUA! Mas porque não uma reflexão sobre os países de proveniência destes migrantes e tentar perceber o porquê da sua miséria?

    Posso estar enganado, mas a sua preocupação não será pelo facto de saber que se os escândalo das falsas presenças na AR se dessem na presidência de Bolsonaro, os incumpridores já teriam sido postos na rua, com a aprovação de todo o povo português, mas o povo o que é que sabe? É que Bolsonaro vai acabar com os privilégios dos políticos e dos corruptos! Oxalá que sim!

Envie uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

©2018 MAIS GUIMARÃES - Super8

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?