A independência acima de tudo

Kassym-Jomart Tokayev
Presidente da República do Cazaquistão

Pontos de referência e marcos

Este ano celebramos o 30º aniversário da nossa independência. É um marco importante, que assinala o renascimento do Estado cazaque e a conquista da liberdade, um sonho acarinhado por muitas gerações dos nossos antepassados. Segundo os padrões da história, 30 anos é um mero instante. No entanto, para muitos povos, ele abrangeu toda uma época repleta de dificuldades e triunfos, crises e conquistas. Também nós estamos a passar por isso.

O ponto de viragem que estamos a viver obriga cada cidadão a refletir de forma consciente sobre as seguintes questões-chave: “O que alcançámos nestes 30 anos?”, “Que tipo de país deixaremos às gerações futuras?”, “Que mais é preciso fazer para reforçar o nosso Estatuto de Estado?” Para tal, precisamos de olhar para trás, repensar criticamente o nosso caminho, fixar os nossos êxitos e problemas, definir metas e objetivos a fim de continuar a avançar a passos confiantes.

30 anos de Independência podem ser convencionalmente divididos em três décadas. Cada um destes períodos tem um significado histórico especial.

© Direitos Reservados

Definiria a primeira década da Independência como a altura de fundação do novo Cazaquistão. Sob a liderança de Elbasy, foram aprovados os símbolos do Estado, foi formado um sistema eficaz de poder. Foi introduzida uma moeda nacional. Foram constituídas as forças armadas. Foi adotada a Lei Básica do País. Foram também estabelecidas relações diplomáticas com países estrangeiros. O Cazaquistão passou a ser membro de organizações internacionais de renome.

Foi adotada a Estratégia “Cazaquistão 2030”. A fronteira do estado com o nosso vizinho oriental foi determinada. Foram iniciadas negociações intensivas na fronteira com outros Estados vizinhos. Tornámo-nos um território livre de armas nucleares. Mudámos a nossa capital para a terra de Saryarka. A economia converteu-se para o mercado, o instituto da propriedade privada foi fixado, e foram lançadas as bases para o desenvolvimento do comércio doméstico. Os jovens cazaques começaram a estudar nas principais universidades do mundo. Foi criado o Fundo Nacional, cujas reservas nos ajudaram posteriormente a sobreviver a mais do que uma crise. Encorajámos os nossos compatriotas de todo o mundo a regressar à sua pátria histórica, criando as condições para a sua reinstalação. Como resultado, o nosso país começou a recuperar e o nosso espírito nacional foi fortalecido.

A segunda década é um período de expansão dos horizontes do nosso estatuto de Estado. Durante estes anos, a posição do país fortaleceu-se significativamente, e o seu potencial económico aumentou. Formalizámos legalmente todas as fronteiras terrestres. Implementámos o programa “Património Cultural” e repensámos a nossa história. Revitalizámos o Mar de Aral do Norte, evitando que o mar desaparecesse. Demos início a congressos de líderes mundiais e de religiões tradicionais, organizámos a Cimeira da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa, promovemos a Conferência sobre Medidas de Interação e Construção de Confiança na Ásia e implementámos uma série de outros projetos internacionais importantes. Foram atraídos investimentos estrangeiros significativos. O novo capital, construído nas margens do Esil, transformou-se num símbolo nacional. Foram lançados grandes projetos de infraestruturas, tais como a construção do corredor internacional “Europa Ocidental – China Ocidental”.

A construção civil desenvolveu-se a um ritmo sem precedentes.

Na terceira década, atingimos alturas ainda maiores no nosso desenvolvimento. Finalmente, resolvemos todas as questões relacionadas com a fronteira estatal. A Estratégia “Cazaquistão 2050”, que traçava o objetivo de entrar nos 30 países mais desenvolvidos do mundo, foi adotada.

Foram implementados programas em grande escala em vários campos, incluindo o programa acelerado de desenvolvimento industrial e inovador, “Nurly Zhol” e “100 passos concretos”. Juntamente com as reformas políticas e económicas, demos especial atenção à modernização espiritual.

Todas estas conquistas foram possíveis graças à liderança de Elbasy, à sabedoria e unidade do nosso povo, e ao trabalho árduo de todos os nossos compatriotas. Podemos dizer que Elbasy se tornou um símbolo eterno da nossa Independência.

Os principais objetivos da quarta década são um Estado forte e uma nação competitiva. Para tal, precisamos de continuar as reformas políticas e económicas e o processo de modernização da consciência pública, para formar uma identidade nacional qualitativamente nova e adaptada aos desafios do tempo.

Estamos a construir uma sociedade justa e um Estado eficiente. Guiados pelos princípios da justiça em todos os nossos assuntos, iremos sem dúvida atingir os nossos objetivos. É supérfluo ter orgulho nas realizações do nosso país e nos sucessos internacionais sem, no entanto, elevar a qualidade de vida do povo. Todos os cidadãos devem sentir os benefícios reais do desenvolvimento económico. Eu sigo este princípio em todas as decisões que tomo. A par da melhoria das condições sociais, é também importante proteger os direitos e proporcionar igualdade de oportunidades a cada cidadão. Do meu ponto de vista, é isto que constitui um estado justo.

Historicamente, cada geração tem tido as suas próprias provações. Os nossos antepassados sobreviveram a uma terrível fome, repressões e a Guerra Mundial.

Sob o totalitarismo, quase perdemos as nossas tradições, língua e religião. Graças à Independência fomos capazes de ressuscitar e fortalecer os nossos valores. Mas se quisermos sobreviver como nação e Estado, as gerações atuais e futuras devem estar preparadas para novos desafios.

A atual pandemia e a crise que se seguiu demonstraram claramente que o mundo inteiro enfrenta hoje desafios sem precedentes. Para além das ameaças económicas, sociais, ambientais, biológicas e outras, existem vários “vírus ideológicos” que se estão a propagar amplamente. Numa era de acelerada globalização, é cada vez mais difícil reconhecer o seu impacto negativo. Por outras palavras, muitas pessoas estão impercetivelmente presas em ilusões perigosas, perdendo o seu interior. Por conseguinte, como parte da comunidade global, devemos imperativamente preservar as nossas raízes. Não nos podemos separar da nossa cultura original e tradições únicas que constituem a nossa identidade nacional. Só através da sua preservação e fortalecimento é que nos podemos salvaguardar no caos civilizacional.

© Direitos Reservados

Lições históricas

Hoje, os contemporâneos da Independência fizeram 30 anos de idade. Nasceram e foram criados num país soberano e têm uma mente aberta. Têm uma visão do mundo e um estilo de vida completamente diferentes. Para eles, a Independência é um axioma. É um fenómeno normal, que indica que a noção de soberania está enraizada na mente dos jovens. No entanto, para que as gerações mais jovens tenham consciência do valor da Independência permanentemente gravado na sua mente, devem saber o preço que pagámos por ela.

Ganhámos a nossa liberdade graças à luta heroica dos nossos antepassados, que sofreram muitas privações e dificuldades. É importante preservar estas páginas da história na memória do povo.

No seu tempo, o programa “Madeni Mura” (“Património cultural”) abriu o caminho para um repensar da história nacional. A ciência histórica nacional estava a desenvolver-se de forma dinâmica, e foram realizadas numerosas pesquisas. Uma quantidade significativa de fontes históricas e artefactos arqueológicos anteriormente desconhecidos foi introduzida na ciência. As novas descobertas mostraram ao mundo que a nossa história está enraizada no fundo dos séculos. As iniciativas fundamentais de Elbasy contribuíram em muito para o renascimento da consciência histórica do nosso povo. No âmbito do programa, foi publicada uma grande quantidade de livros. Mas serão os resultados deste trabalho colossal conhecidos pelo público em geral? Ou será que estas obras se tornaram propriedade apenas de institutos de investigação e centros científicos?

Os frutos de tal investigação fundamental não devem ser estudados e utilizados apenas por peritos especializados. É necessário tornar este conhecimento único compreensível e acessível a um vasto público. Afinal, uma consciência histórica profunda não é uma prerrogativa dos historiadores profissionais e deve ser adquirida por todas as pessoas, especialmente pelos jovens. Na medida em que é importante não se deixar levar pelas grandes exposições e outros projetos de grande visibilidade, a tónica deve ser posta na preparação de obras simples e fáceis de compreender para crianças e jovens. Por exemplo, documentários e longas-metragens. Sim, foram feitos filmes como “A Espada de Diamante”, “Jau zhurek wein bala”, “Tomiris”, “Keiky Batyr”, “Tar Zaman”. Mas não é suficiente.

Ordeno às agências governamentais responsáveis e aos canais de televisão nacionais que atribuam obrigatoriamente uma parte do orçamento do Estado para a criação de obras dedicadas a temas históricos. Naturalmente, é importante resolver a questão do financiamento. Mas, por exemplo, os nossos irmãos quirguizes, através do filme “Kurmanjan Datka”, mostraram claramente que é possível fazer um produto de alta qualidade sem gastar muito dinheiro.

Atualmente, na indústria cinematográfica mundial há procura de guiões com temas históricos. Muitos filmes são sobre eventos marcantes na história americana e europeia. Agora a Netflix, a HBO e outras empresas cinematográficas mundiais estão a dirigir a sua atenção para a Ásia. A nossa história é igualmente rica de experiências únicas que podem ser utilizadas como base para filmes de grande escala. Por exemplo, a era da Horda de Ouro, que foi um dos impérios mais poderosos do seu tempo – não é um cenário já feito?! Estas questões devem estar no centro da atenção especial dos especialistas da indústria cinematográfica.

As ideias de estado e serviço abnegado à Pátria devem ser refletidas em todas as obras históricas, tanto documentários como ficção. Um exemplo disto é a atividade de representantes proeminentes do movimento Alash. No início do século passado, contribuíram fortemente para a promoção da ideia da Independência, tornando-se vítimas no caminho para a liberdade.

No âmbito do aniversário da Independência, devemos enfatizar o papel de tais figuras proeminentes, transmitir o seu rico património à nossa juventude e ao mundo inteiro.

É igualmente importante apoiar e apreciar devidamente o trabalho de cientistas e escritores que lidam com este tema. É necessário estudar consistentemente o rico património das figuras do movimento Alash.

Passaram 100 anos desde os dramáticos acontecimentos da fome de 1921-1922, em que milhões de pessoas morreram ou foram forçadas a refugiar-se para sobreviver. Se esta terrível tragédia não tivesse acontecido, a nossa população teria sido muito maior do que é agora.

© Direitos Reservados

Estas páginas da nossa história ainda permanecem em branco e não são totalmente compreendidas. Mesmo entre os cientistas não existe consenso sobre o número real de vítimas. Várias interpretações das fontes e causas da fome em massa induzem a sociedade em erro. Os documentos históricos relevantes e os dados disponíveis devem ser estudados e analisados em pormenor.

É necessário que especialistas qualificados se empenhem sistematicamente na investigação, com base na qual o Estado poderia fazer uma avaliação objetiva desta tragédia. Temos de abordar esta questão complexa com moderação e responsabilidade. Em geral, este trabalho deve ser realizado de um ponto de vista científico calibrado, sem slogans e populismo.

Este ano comemora-se o 35º aniversário dos famosos eventos de dezembro. Em 1986, os filhos e filhas do povo cazaque, sem temer a raiva das autoridades soviéticas, saíram à rua para defender a honra da nação. É simbólico que exatamente cinco anos mais tarde a nossa independência tenha sido proclamada. Precisamos de apreciar e popularizar a coragem e os gestos heroicos dos heróis de Zheltoksan de todas as formas possíveis.

Até ao final do ano, marcaremos uma série de aniversários importantes na nossa história recente. Em 1991, foi encerrado o local dos ensaios nucleares de Semipalatinsk. Considero necessário organizar um evento especial dedicado a esta data, dada a sua extrema importância para o futuro não só do nosso país, mas também de toda a humanidade. Graças ao decreto assinado por Elbasy, o Cazaquistão tornou-se o líder do movimento mundial pelo desarmamento nuclear, ganhou a confiança das grandes potências, e é reconhecido como membro responsável da comunidade internacional.

“Não há nada mais distante do que o passado, não há nada mais próximo do que o futuro”, diz uma sabedoria popular. Não só a era de Khans e Khagans está no passado, o nosso caminho criativo ao longo dos últimos 30 anos já está a tornar-se história. Se para a geração que esteve na origem da independência, a história dos anos noventa é compreensível, para as novas gerações, o significado histórico desses anos não é óbvio. Para os jovens a independência é algo que foi lhes dado desde o nascimento, um presente do destino. No entanto, a realidade é diferente.

As circunstâncias políticas, económicas, sociais, demográficas e outras da época exigiam que Elbasy tomasse decisões excecionalmente equilibradas. Passámos por um período difícil quando parecia não haver saída para a crise, mas criámos o nosso próprio Estado independente sem conflitos e derramamento de sangue. As gerações presentes e futuras devem lembrar-se sempre disto. É por isso que é tão importante estudar a história recente do Cazaquistão de forma aprofundada.

Ao mesmo tempo, apesar do imenso trabalho para compreender a nossa própria história feita durante os anos da Independência, é necessário continuar esta atividade. Chegou o momento de escrever a história nacional, tendo em conta as novas abordagens científicas. Este trabalho fundamental deve ser a base de todos os manuais escolares. Esta é uma questão de importância estratégica. Por conseguinte, é necessário iniciar imediatamente a preparação de uma nova publicação académica da história do Cazaquistão. O renascimento da nossa consciência histórica depende disso. Neste trabalho, devem estar envolvidos historiadores de renome.

Além disso, proponho escrever uma breve história do Cazaquistão para o público estrangeiro e traduzi-la para as principais línguas mundiais. Esta é a única forma de contar ao mundo a verdadeira história centenária do povo cazaque.

Cada nação deve escrever a sua própria história, sem sucumbir à influência da ideologia alienígena. A história, escrita da perspetiva dos interesses nacionais, contribui para o despertar da consciência nacional.

Sociedade e valores

A tríade eterna da nossa soberania é a nossa vasta terra, que se estende de Altai a Atyrau, de Alatau a Saryarka, a nossa língua, absorvida com o leite da nossa mãe, e a nossa união, que nos ajuda a superar todas as dificuldades. Estimamos estes três valores como o próprio olho.

A nossa terra sagrada, herdada dos nossos antepassados, é o nosso maior tesouro que não nos foi “presenteado” por ninguém. A história nacional não começou em 1991 ou 1936. Os nossos antepassados viveram aqui durante o Khanato Cazaque, a era da Horda de Ouro, do Kaganato Turco, dos hunos e dos sacas. Por outras palavras, as raízes da nossa história nacional remontam ao passado. São os historiadores, não os políticos, que devem lidar com a história.

O estabelecimento formal de fronteiras estatais através da conclusão de tratados bilaterais e o reconhecimento deste facto pela comunidade mundial é uma prática apenas dos últimos séculos. Antes disso, não havia sequer noções como delimitação, demarcação.

Vale a pena recordar que quando começámos a abordar a questão da fronteira estatal, alguns políticos e figuras públicas exortaram-nos a não nos precipitarmos: disseram que essas questões poderiam ser negociadas mais tarde. Mas procedemos de imediato à negociação e consolidação dos acordos alcançados. O tempo provou que tal abordagem era correta. Como resultado, independentemente de quem diz o quê agora, o Cazaquistão tem fronteiras internacionalmente reconhecidas, que são asseguradas por acordos bilaterais. Isto ninguém pode contestar.

Esta ideia deve ser transmitida e promovida de uma forma consistente, sem emoções desnecessárias. É importante responder adequadamente a todas as ações provocatórias que questionam a nossa integridade territorial e as nossas relações de boa vizinhança, não só do ponto de vista do público em geral, mas também a nível oficial.

A educação deve merecer especial atenção. Ao mesmo tempo, gostaria de salientar mais uma vez: devemos estar prontos a defender os interesses nacionais não só através da diplomacia, mas também a partir de uma posição mais firme.

Como já referi, resolvemos completamente a questão da fronteira. Após a assinatura da Convenção sobre o Estatuto Jurídico do Mar Cáspio em 2018, as nossas fronteiras são definitivamente delimitadas e asseguradas não só em terra, mas também no mar.

© Direitos Reservados

O Cazaquistão não está dividido em partes sul, norte, oeste e leste. Estes são apenas nomes convencionais de regiões, que denotam a direção geográfica. Em 2018, através do Decreto de Elbasy, a região do Cazaquistão do Sul foi renomeada para região do Turquestão. A celeridade desta etapa em termos de restabelecimento da continuidade histórica é óbvia. A decisão foi amplamente apoiada pela sociedade. Afinal, não só a cidade em si, mas toda a região tem sido chamada de Turquestão desde os tempos antigos. Esta experiência deveria provavelmente ser alargada a todo o país, porém devemos abordá-la com muita cautela.

As terras do Cazaquistão nunca serão transferidas ou vendidas a estrangeiros – é um axioma. Cada cidadão do nosso país deve entender este facto de forma clara.

A moratória sobre certas disposições do Código de Terra expira no próximo ano. É muito importante colocar terras agrícolas em circulação e utilizá-las a favor da população. Portanto, este ano é necessário criar uma comissão sobre questões da gestão territorial, na qual será encontrada uma solução consensual.

A Terra é a nossa maior riqueza. Mas será que sabemos realmente apreciá-la?! O amor à nossa terra não se mede por grandes slogans. Infelizmente, nós próprios poluímos frequentemente as nossas montanhas, lagos e estepes. Fazemos fogueiras em Kokzhailau, e quase destruímos o lago único de Kobeituz. Há aqueles que matam os saigas da lista vermelha por causa dos seus chifres. Como podemos chamar a nós próprios os senhores desta terra depois de tudo? Nem mesmo os estrangeiros lhe fazem isso. Seja o que for, é esta a amarga verdade. Podemos provar que somos os mestres económicos da nossa terra apenas com atos concretos. A atitude cuidadosa para com a natureza não se deve manifestar apenas através de eventos ambientais de grande escala. É importante começar com coisas simples, tais como não deitar lixo e não fazer fogueiras.

Tudo começa na educação. Se uma criança não plantou árvores juntamente com os seus pais, não viu o tipo de atitude dos adultos para com os animais, não irá tratar com cuidado a terra natal quando crescer. A questão não é tanto o cumprimento das normas ambientais e legislativas, mas sim a educação patriótica e a formação da consciência cívica.

O verdadeiro amor pela Pátria começa com o estudo e o conhecimento de todos os lugares únicos e belos do próprio país. Pode-se encontrar paisagens pitorescas em todos os cantos do nosso país: no Oeste – Bozzhyra e Sherkala, no Sul – Aksu-Jabagly e Sairam-Ogem, em Zhetysu – Khan Tengri e Charyn, Kolsay e Kayindy, Kapal-Arasan, Altynemel e Burhan Bulak, No Leste – Muztau e Shyngystau, nascentes Markakol e Rakhmanovsky, em Saryarka – Burabai e Bayanauyl, Ulytau e Karkaraly, no Norte – Imantau e Ayrtau.  … E está longe de ser uma lista completa. Não há necessidade de procurar o paraíso numa terra estrangeira. Nós próprios temos tudo. Temos de mostrar aos jovens toda a beleza da nossa natureza, e ensiná-los a respeitá-la.

Existe mais uma tarefa que precisa de ser resolvida o quanto antes. Devido à migração em massa de pessoas para as cidades, a população diminuiu acentuadamente, especialmente nas povoações fronteiriças. Está em curso um trabalho sistemático para criar condições favoráveis à migração de residentes aptos do Sul para as regiões do Norte e do Leste. Esta é uma questão muito urgente relacionada com a segurança do nosso país. Além disso, é necessário intensificar o processo de reinstalação dos compatriotas nas regiões acima mencionadas, que nos últimos anos tem abrandado.

Ambas as questões são de importância estratégica. Não podem ser tratados de forma irresponsável. As autoridades locais deveriam fazer tal trabalho não para obter boas estatísticas, mas do ponto de vista dos interesses do Estado e da população.

Um dos principais símbolos do país é a língua oficial. O facto de a língua cazaque ter o estatuto de língua oficial foi expressamente estipulado na nossa Constituição nos anos 90. Criámos todas as condições para o seu desenvolvimento. Durante este período, o número de escolas e outras instituições educacionais, bem como jardins de infância com a língua cazaque como a língua de instrução, aumentou consideravelmente.

Atualmente, a percentagem tanto de cazaques como de representantes de outros grupos étnicos que falam a língua oficial aumentou significativamente. Foram formados todos os fundamentos legais para o estabelecimento da língua cazaque como um fator unificador. A questão é o desejo e a motivação. Quando é que a língua cazaque se vai tornar uma língua de comunicação interétnica depende tanto do próprio povo, que se esforça por dominá-la, como do governo, criando as condições para alcançar este objetivo.

A literatura infantil desempenha um papel importante na aprendizagem de línguas. Portanto, juntamente com as melhores obras de escritores cazaques, devemos começar a traduzir, publicar e divulgar as melhores obras de escritores estrangeiros. A sua procura é elevada.

O conhecimento da língua oficial é o dever e a obrigação de cada cidadão do Cazaquistão. A este respeito, quero apelar a todos os cazaquistaneses, incluindo os nossos compatriotas que ainda não falam cazaque. Vemos que os jovens podem aprender inglês ou outras línguas no mais curto espaço de tempo possível.

Todos os que queriam aprender a língua cazaque já a dominam. Mas, como as pessoas dizem, “mais vale tarde do que nunca”. O mais importante é manter o entusiasmo.

O uso generalizado da língua cazaque não implica qualquer restrição ao uso de outras línguas, especialmente do russo. Continuarão a ser criadas oportunidades para que todos os grupos étnicos do nosso país preservem as suas tradições e desenvolvam as suas línguas. Os jovens devem compreender que o conhecimento de várias línguas lhes abre amplos horizontes.

Em todos os tempos, graças à união, ultrapassámos todas as provas. Devido a diferentes circunstâncias históricas, um grande número de representantes de diferentes grupos étnicos vive nas terras do Cazaquistão. O povo cazaque não distinguiu ninguém em nativos e estranhos, e ajudou a todos como irmãos. Todos partilhamos hoje a mesma pátria – o Cazaquistão. Conseguimos transformar a multietnicidade do país numa vantagem competitiva. Refutámos as previsões generalizadas de muitos peritos estrangeiros sobre uma explosão de “um barril de pólvora da Eurásia”, sobre o destino do Estado falhado. O grande papel no fortalecimento e manutenção da paz e estabilidade tem sido desempenhado pela Assembleia dos Povos do Cazaquistão. Nunca destacamos ninguém por motivos étnicos, criando condições e oportunidades de desenvolvimento igual para todos. Assim sendo, a nossa política interétnica é reconhecida em todo o mundo. Temos de valorizar a união do nosso povo. É o único caminho certo para um futuro de sucesso.

A preservação da harmonia interétnica é uma missão não só para as agências governamentais, mas também para a sociedade como um todo, para cada cidadão. Todos temos a mesma responsabilidade pela estabilidade e bem-estar no nosso país.

Devemos promover consistentemente valores comuns, ideias que unam o nosso povo. Têm de ser fixados firmemente na mente de todos os cidadãos. A este respeito, deveria ser elaborado um conceito de celebração de Nauryz e enriquecido o conteúdo deste feriado extraordinário. Quanto mais consolidarmos os valores que temos na nossa sociedade, mais forte será a nossa união.

Prioridades de desenvolvimento futuro

© Direitos Reservados

Existe uma procura crescente na sociedade por uma participação mais ativa na vida do país e no processo de tomada de decisões. O meu conceito de “Estado ouvinte” e a iniciativa de criar um Conselho Nacional de Confiança Pública é uma resposta direta ao mesmo. O mesmo continua a tradição de grandes encontros em Ordabasy, Kultobe e Ulytau.

Estas iniciativas constituirão a base para o desenvolvimento futuro da sociedade civil. Estamos a lidar com estas questões de uma forma sistemática. Este é o resultado de uma política destinada a democratizar o país, modernização do sistema político.

As reformas políticas não são uma questão de um dia ou mesmo de um ano, mas também não podem ser adiadas. O Governo deve sempre sentir a sua responsabilidade perante o povo. Estamos a passar à eleição de akims (presidentes das câmaras) rurais, o que permitirá reforçar o sistema de autogoverno local, a começar pelo nível mais baixo. Depois disso, iremos conduzir a eleição de akims dos concelhos. Se o novo sistema mostrar a sua eficácia, passaremos à eleição de akims do nível seguinte.

É inaceitável que o forçar da modernização política e os slogans populistas conduzam a uma crise do sistema estatal. Podemos ver pela experiência de alguns países a que uma súbita mudança de paradigma leva. A lei e a ordem devem reinar no nosso país com base no pleno respeito pelos direitos humanos. É óbvio que a anarquia e a permissividade não farão qualquer bem.

O sistema político do Cazaquistão está a desenvolver-se de acordo com os requisitos modernos. As próximas eleições para o Majilis são um passo importante para o desenvolvimento de um Parlamento multipartidário. Existem partidos a operar no país, que se posicionam em várias plataformas ideológicas: conservadores, liberais, patrióticos, socialistas, etc. É um processo natural. O pluralismo político promove o desenvolvimento e fortalecimento do Estado de uma forma evolutiva. As várias forças políticas do nosso país estão unidas por um valor comum – independência sagrada.

O nosso objetivo é deixar à próxima geração um Estado forte com uma economia poderosa e princípios espirituais e morais sólidos. Para que o Cazaquistão possa continuar a avançar, devemos educá-lo de forma a que se mantenha no espírito de patriotismo e devoção aos interesses nacionais.

O século XXI é a era dos novos conhecimentos e tecnologias. Cada pessoa só pode aumentar a sua competitividade através de um contínuo autoaperfeiçoamento, dominando novas profissões e adaptando-se constantemente aos ditames da época. O conhecimento e a tecnologia são os principais motores do progresso de um país. Abai disse que uma pessoa só pode ter sucesso através da sua mente, conhecimento, consciência e carácter; pensar o contrário é um grande disparate.

Durante os anos da Independência, cresceu todo um conjunto de jovens talentosos cazaques que ganharam reconhecimento em todo o mundo. Eles moldam a imagem cultural moderna do Cazaquistão. Representam o nosso país na arena internacional e encarnam os valores da Independência. Eles são o nosso “poder suave”. Somos obrigados a cuidar e apoiar cada um deles.

Na era da globalização, o mundo inteiro tornou-se, de facto, numa “grande aldeia”. Para os nossos jovens ambiciosos homens e mulheres, já é norma procurar a educação nas melhores universidades do mundo. Alguns deles ficam lá, e isso dá origem a preocupações de que jovens talentosos estão a deixar o país. Mas estou confiante que os nossos jovens compatriotas regressarão a casa enriquecidos com novos conhecimentos e experiência, ou que representarão dignamente os interesses do Cazaquistão no estrangeiro.

As pessoas dizem: ” Tendo oportunidades, viaje e conheça o mundo”. No seu tempo, Elbasy foi para a Ucrânia, onde adquiriu uma importante experiência de trabalho, obteve conhecimentos e competências inestimáveis. Eu também fui a Moscovo para estudar, e trabalhei noutros países. Muitos dos nossos contemporâneos, como os jovens de hoje, estudaram em diferentes cidades da União Soviética. No entanto, a grande maioria não ficou lá para sempre. Regressaram a casa e trabalharam em prol da sua pátria.

Por isso, não devemos preocupar-nos em perder os jovens. A nossa tarefa é educar a geração mais jovem na presença do espírito de patriotismo e orientar os seus esforços para o benefício do país, onde quer que se encontrem. Por exemplo, para os nossos compatriotas que trabalham nas empresas mais avançadas do mundo desenvolvido, devem ser criadas condições para transferir experiência e conhecimentos para os seus contemporâneos no Cazaquistão.

Nem todos os jovens talentosos ambicionam ir para o estrangeiro. No país, o número de jovens altamente qualificados e bem formados está a crescer. Muitos deles irão juntar-se à coorte de novos líderes progressistas do país no futuro. O fundo de recursos humanos presidencial, que foi criado na sequência da minha iniciativa, é uma vívida confirmação disto. Na próxima fase do projeto, prestaremos especial atenção à seleção de líderes que estejam orientados para as necessidades da sociedade. Todos os que estão no poder, acima de tudo, devem ser guiados pelo interesse nacional.

“Enquanto fores jovem, trabalha”, diz o nosso povo. Os jovens são sempre o gerador de novas ideias, a força motriz das mudanças positivas. Portanto, temos de dirigir este potencial criativo da geração mais jovem na direção certa e utilizá-lo eficazmente. A este respeito, devemos acionar a atividade do Conselho da Juventude sob a tutela do Presidente. Faremos dela uma plataforma eficaz para atrair jovens instruídos e ativos. Além disso, proponho estabelecer uma subvenção chamada “Tauelsizdik Kurpakty” (“Gerações de Independência”) para apoiar os jovens talentosos do Cazaquistão.

Tudo o que fazemos, fazemos para o bem das gerações futuras. Na execução de políticas públicas, estamos profundamente conscientes da nossa responsabilidade para com o futuro. Vamos sempre aderir a esta posição. Sem dúvida, as maiores realizações são alcançadas através do amor sem limites pela Pátria Mãe. O verdadeiro patriotismo não tem a ver com slogans barulhentos, mas sim com o serviço quotidiano ao seu país e ao seu povo.

Uma pessoa não nasce patriota. Torna-se um, recebendo uma educação e formação adequadas, socializando e formando a sua identidade cívica. Uma pessoa que sente que os seus objetivos e interesses pessoais são compatíveis com o bem comum, e vê a sua contribuição para o desenvolvimento do país, adquire uma verdadeira felicidade.

O grande filho da nossa nação Alikhan Bukeykhanov costumava dizer: “Servir uma nação não depende tanto do conhecimento como do carácter. Devemos trabalhar juntos para nos imbuirmos do verdadeiro espírito do patriotismo e fortalecer ainda mais a nossa sagrada Independência.

Gostaria de apelar a todos os nossos concidadãos, especialmente à nossa juventude: valorizem o nosso vasto Cazaquistão, a nossa pátria sagrada, onde podem realizar todos os vossos sonhos e planos ousados e alcançar o sucesso! Acredito no poder criativo do patriotismo do Cazaquistão.

A independência do Estado não é apenas uma declaração. A construção de uma verdadeira Independência é um trabalho diário de cuidado, uma política calibrada e consistente. Só conseguiremos sobreviver como nação no mundo global através de um Estado forte e independente. Temos de aderir firmemente a esta verdade duradoura. “Independência acima de tudo!” – estas palavras devem tornar-se o nosso lema.

Que a sagrada base da nossa nação – Independência – ilumine o nosso caminho para novas grandes conquistas!

© Direitos Reservados

©2021 MAIS GUIMARÃES - Super8

Publicidade

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?