ABB TEM “TOTAL DE QUASE 100 MIL EUROS DE MULTA”

A empresa de exploração de pedreiras na freguesia de Gondomar foi ainda multada em 25 mil euros depois de uma queixa da Câmara Municipal de Guimarães. Tema foi discutido na Assembleia Municipal.

Em altura de Green Week na cidade, uma das áreas em destaque durante a Assembleia Municipal de sexta-feira, a primeira descentralizada, realizada em Ronfe, foi a do ambiente — e não só pelos deputados municipais que marcaram presença.

Abel Cardoso, a primeira das duas intervenções do público da noite, expôs o “pesadelo”: “Gondomar [da União de Freguesias que também integra Souto São Salvador e Souto Santa Maria] é sinónimo de poluição, solo endurecido, frutas e legumes cobertos de pó.” O munícipe questionou a bancada socialista sobre o loteamento da Cumieira, cuja suspensão indica “interesses económicos para a ABB”, empresa de exploração de pedreiras em Gondomar. “Em termos ambientais, é uma tragédia”, referiu ainda Abel Cardoso, que questionou se o executivo teria participado no “acordo”: “O que é que se alterou em termos regulamentares para que este loteamento, outrora chumbado porque abrangia terrenos de reserva, possa hoje ser aprovado?”

O socialista Paulo Silva relembrou que “aquilo que a Câmara e Vimágua fazem é aquilo que está nas suas responsabilidades”, mas garantiu não existir qualquer acordo entre ABB e Município. “A informação que temos é que a empresa já vai no total de quase 100 mil euros de multa, e só a última, que foi queixa da Câmara de Guimarães, ascende a quase 25 mil euros”, explicou o deputado municipal. Paulo Silva acrescentou ainda que a CMG tem comunicado as irregularidades da empresa, como descarga de poluentes, às entidades competentes.

Para além da intervenção do residente de Gondomar, registou-se uma outra por parte do público. Fernando Cunha falou da requalificação necessária para a estrada nacional 206 — que atravessa a vila onde se desenrolou esta assembleia. Relativamente à construção prevista de uma rotunda na vila de Ronfe, o munícipe referiu que a obra seria “um desperdício de dinheiro” e que só complicaria os problemas de trânsito naquela estrada.

Lançou ainda um desafio ao Edil: “Peço-lhe que, ao regressar a Guimarães, passe pela Ponte de Serves.” É que, segundo Fernando Cunha, a ponte “já apresenta problemas de segurança”. “É incrível como é que uma saída do concelho [para Famalicão] está a viver com uma ponte e há dois ou três séculos”, salientou. A deputada Mariana Silva, da CDU, respondeu: “Devia haver exigência para que o Estado faça obras e requalifique” a N206, “mas a solução passa pela promoção do transporte público”.

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

©2019 MAIS GUIMARÃES - Super8

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?