AS PALAVRAS CHAVE PARA ABRIR AS PORTAS DO CCVF SÃO MÚSICA, DANÇA E TEATRO

Em setembro, assinalam-se os 13 anos de vida do Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, e a reabertura das portas ao público e à arte. A arte em estado original, diverso, contemplativo e inclusivo.

 

 

O pontapé de saída para a nova temporada será dado nos jardins com o ritual cultural e social que, nos últimos anos, tem preenchido o primeiro fim de semana do mês: o Manta (dias 07 e 08 de setembro). E tudo começará nos dedos mágicos de Joana Gama, pianista e compositora – com participação dupla nesta edição ao inaugurar uma nova área do festival para um público mais jovem – que criará a atmosfera perfeita para a entrada dos Mão Morta, lendária banda nacional que aceitou o desafio de preparar um concerto especial onde haverá lugar para a antestreia de novas composições. Na segunda noite, o Manta, que conta já com a sua 12.ª edição, será lugar de forte manifestação da criatividade feminina, com a artista brasileira LaBaq a anteceder a entrada em palco de Scout Niblett, artista inglesa radicada nos Estados Unidos que regressa a Guimarães com um concerto exclusivo.

O fim de semana que avizinha a data de abertura do CCVF – 17 de setembro – dirige os holofotes às artes performativas. “A meio da noite” chegará ao Grande Auditório pela mão de Olga Roriz no dia 15, numa profunda homenagem da coreógrafa a Ingmar Bergman, no ano de celebração dos 100 anos do realizador sueco. A 16 e 17 de setembro, o CCVF será investigado e desvendado pelo Teatro Oficina, em parceria com o serviço de Educação e Mediação Cultural, que levará o público a descobrir diferentes espaços “Do avesso”, percorrendo labirínticos corredores, recônditas oficinas e outras passagens (quase) secretas que abrigam memórias e preservam saberes das pessoas que aqui trabalham. A 22 de setembro, a música faz-se ouvir novamente no CCVF com a estreia nacional do espetáculo “Meet Cecil Satariano” apresentado pelo coletivo português MODS Collective. O teatro ganha especial protagonismo no final do mês com o díptico de peças “Moçambique” e “Amazónia”, da mala voadora, a subirem ao palco do Grande Auditório a 27 e 29 de setembro, respetivamente. O CCVF abre-se, assim, à cidade para, em conjunto, celebrar.

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

©2018 MAIS GUIMARÃES - Super8

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?