Benefícios da AstraZeneca “superam os riscos”

A Agência Europeia do Medicamento (EMA) anunciou ter encontrado uma “possível ligação” entre a vacina e casos muito raros de coágulos sanguíneos. Os coágulos no sangue são, no comunicado, incluídos como “efeitos secundários muitos raros” na vacina da AstraZeneca.

“Os benefícios sobrepõem-se aos riscos”, esclareceu, esta tarde, uma das porta-vozes do regulador europeu, sobre a vacina da AstraZeneca. Também no documento da EMA pode ler-se que “a combinação relatada de coágulos sanguíneos e plaquetas sanguíneas baixas é muito rara e os benefícios gerais da vacina na prevenção de covid-19 superam os riscos de efeitos secundários”.

No comunicado lê-se ainda que as pessoas que receberam a vacina devem procurar assistência médica imediatamente se desenvolverem sintomas, nomeadamente falta de ar, dor no peito, inchaço nas pernas, dor abdominal persistente, sintomas neurológicos, incluindo dores de cabeça graves e persistentes ou visão turva, e pequenas manchas de sangue na pele além do local da injeção.

Regulador da UE compara risco de coágulos com vacina da AstraZeneca ao da pílula

A EMA comparou, esta quarta-feira, o risco de formação de coágulos sanguíneos após a toma da vacina contra a covid-19 da farmacêutica AstraZeneca ao da toma de contracetivos hormonais como a pílula. 

“Um exemplo em que gostaria de atentar é [a relação entre] o uso do contracetivo oral combinado hormonal e os coágulos sanguíneos que ocorrem após a toma desses contracetivos, que são dados às mulheres que normalmente são saudáveis”, afirmou o Chefe do Departamento de Farmacovigilância e Epidemiologia da EMA, Peter Arlett.

Falando em conferência de imprensa no dia em que o regulador da União Europeia (UE) concluiu existir uma possível ligação de vacina da AstraZeneca e coágulos e insistiu nos benefícios, Peter Arlett comparou que, “se foram dados contracetivos hormonais combinados durante um ano a 10.000 mulheres, haverá uma formação de coágulos sanguíneos em excesso nesse ano”.

“Isto dá uma referência de outro medicamento dado a uma população saudável que também causa um efeito secundário, que ocorre, raramente, mas que precisamos de ter em consideração”, explicou o especialista da EMA.

©2021 MAIS GUIMARÃES - Super8

Publicidade

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?