Conselho Regional do Norte aprovou Estratégia de Desenvolvimento “NORTE 2030”

O Presidente da CCDR-N, António Cunha, e o Presidente do Conselho Regional, Miguel Alves, reuniram esta quarta-feira, dia 16, com o objetivo de analisar, discutir e aprovar a Estratégia de Desenvolvimento “NORTE 2030”, para período de programação 2021-2027 das Políticas da União Europeia, que identifica cinco objetivos estratégicos.

Entre os objetivos está intensificação tecnológica. O plano inscreve como prioridade a “capacitação e consolidação de tecnologias, equipamentos ou fabrico de produtos e serviços de crescente complexidade.”

A valorização de ativos e recurso intensivos em território. O Conselho Regional do Norte considera relevante a “valorização dos recursos naturais, produtivos de património construído e simbólico tendencialmente inimitáveis e intransferíveis”, e assume como prioridade, entre outras, o desenvolvimento da fileira agroalimentar.

Quanto ao terceiro objetivo, é a melhoria do posicionamento competitivo à escala global (OE3), que a CCDR-N considera dever assentar na exportação, “determinante para redução do défice e da balança de transações correntes, na promoção e exploração de novos mercados e modelos de negócio e participação nos mercados internacionais.”

No que diz respeito à consolidação e sustentabilidade do sistema urbano policêntrico (quarta meta do plano) destaca o “alargamento da base territorial da competitividade regional, o reforço das interdependências entre territórios e a promoção de competências intermunicipais.”

O quinto e último objetivo vai de encontro à “promoção da empregabilidade de públicos e territórios-alvo”, onde assenta o “combate à pobreza e à exclusão social, na mitigação dos efeitos da pandemia, e a resposta ao perfil de procura.”

A Estratégia de Desenvolvimento “NORTE 2030” define ainda três objetivos transversais: a qualificação da população, o acesso a serviços público e a governação eficiente.

No documento, onde se faz um diagnóstico prospetivo da região, a CCDR-N defende ainda uma revisão da Estratégia de Especialização Inteligente da Região Norte (RIS3), “formalizando, consolidando e alargando a abrangência Territorial do Sistema Regional de Inovação” (SRI). Desta forma, defende também o alargamento da dimensão financeira do Programa Operacional (OP) Regional, “crítico” para uma RIS3 bem-sucedida.

Para a CCDR-N é necessária uma articulação do Norte 2030 com o futuro Plano Regional de Ordenamento do Território do Norte (PROT-Norte) para potenciar o desenvolvimento, assegurando opções sustentáveis e equidade territorial.

A versão final do documento deverá ser aprovada pelo Governo até 31 de dezembro.

O Conselho Regional do Norte é um órgão consultivo da CCDR-N que integra os 86 presidentes de Câmara Municipal da Região do Norte e entidades sociais, económicas, ambientais e científicas representativas do tecido institucional da Região.

©2021 MAIS GUIMARÃES - Super8

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?