D. Maria II promove três dias dedicados ao pensamento em Guimarães

"Cenários Passados" é o primeiro de três eventos que o Teatro Nacional D. Maria II irá realizar ao longo do ano, com o objetivo de refletir sobre o país e a cultura, do passado ao futuro, atravessando também o presente.

hopeless-Barra-+G-10-anos

A encerrar a programação da Odisseia Nacional na região norte do país, o Teatro Nacional D. Maria II apresenta “Cenários Passados”, de 30 de março a 1 de abril, um evento dedicado ao pensamento organizado em parceria com A Oficina, a iniciativa pública Portugal Inovação Social e o Lab2050.

© Jubal Battist

Depois de três meses de programação na região norte do país, “Cenários Passados” pretende pensar na herança e na história e indagar sobre a sua influência nas “identidades nacionais”, nas forças vivas da sociedade contemporânea. Como nos vemos? De onde viemos? Como é que o teatro que tivemos pode servir o teatro que queremos? E ainda: como é que esta perspetiva teatral pode abranger a reflexão sobre a própria região Norte e sobre o próprio país?

No dia 30 de março, quinta-feira, o evento abre com o debate “Odisseia Nacional, reflexão a Norte” (10h30), moderado por Patrícia Silva Santos e Pedro Penim, onde se pretende fazer um balanço dos primeiros três meses de Odisseia Nacional e discutir a cultura em Portugal. Seguem-se depois “Guimarães e a cultura: andamento em 3 tempos” (14h30) e “Universidade do Minho: investigação, processo e transformação do quotidiano” (16h30), dois debates sobre políticas culturais, investigação e pensamento, com foco no trabalho que se desenvolve na cidade de Guimarães. Neste primeiro dia, haverá ainda espaço para um showcase de “Auto da Barca do Inferno”, de Gil Vicente, com dramaturgia e encenação de Miguel de Riba, às 18h30.

Na sexta-feira, 31 de março, o dia começa com um Fórum dedicado aos jovens (10h00) que vivem na região norte do país, dinamizado pelo Lab2050. Da parte da tarde, haverá tempo para uma conversa sobre “Cultura e Território” (14h30), seguida de seis mesas redondas (15h30) em torno de derivações do tema central do “Cenários Passados”, desde programação, espaço público, paisagem e território, passando pela acessibilidade, o património ou o arquivo. Ao final da tarde, haverá ainda tempo para um showcase do projeto de inovação social RUMOS – Saúde Mental (18h30).

Às 21h30, o Grande Auditório do Centro Cultural Vila Flor recebe a estreia em Portugal do espetáculo “Hopeless.”, de Sergiu Matis. Coreógrafo romeno sediado em Berlim, Sergiu Matis inspira-se na poesia pastoril da antiguidade greco-romana para construir uma peça onde são forjados novos cenários pastoris a partir de vestígios e fragmentos recolhidos numa biblioteca de sons de animais extintos ou em antigas traduções dos Idílios.

No dia 1 de abril, sábado, são as estruturas culturais e os empreendedores sociais que são chamados a participar no Fórum Comunidade (10h00), que decorre ao longo da manhã. Durante a tarde, o D. Maria II promove um debate e apresentação de projetos entre 3 programadores do norte do país, com a iniciativa “Cara e Coroa” (14h30). No final, serão dados a conhecer a programadores e artistas seis projetos de criadores emergentes daquela região, em formato pitching. Quase a encerrar o dia, os participantes poderão ainda assistir à conferência “Open Lab STAGES” (16h30), com a participação do artista Rogério Nuno Costa e dos cientistas Aida Estela Castro e Miguel Bogalheiro. Às 18h30, o dramaturgo moçambicano Venâncio Calisto apresenta uma primeira leitura encenada de “Viagem por mim terra”, uma peça que está a escrever ao longo deste ano, no âmbito da Odisseia Nacional, com o objetivo de refletir sobre a ideia de viagem e conferir um olhar (estrangeiro) sobre as realidades do Portugal de 2023.

Em cada um dos dias, à noite, será ainda possível assistir a concertos em vários espaços da cidade de Guimarães, no âmbito de “In Loco”, um ciclo que dá destaque a projetos musicais vimaranenses, no seu habitat natural. Captain Boy (duo), Clasen DJ set e Denize Machado apresentam-se, assim, em vários locais da cidade, encerrando cada um dos dias de programação do “Cenários Passados”.

A Odisseia Nacional é um projeto do Teatro Nacional D. Maria II que, durante o ano de 2023, se propõe a desenvolver centenas de propostas artísticas em mais de 90 concelhos de Portugal continental e ilhas, procurando democratizar a oferta teatral, fomentando a criação artística local, e relacionar o pensamento contemporâneo com as identidades locais, aproximando as comunidades de novas linguagens artísticas.

PUBLICIDADE

Arcol

Partilhar

PUBLICIDADE

Ribeiro & Ribeiro
Instagram

JORNAL

Tem alguma ideia ou projeto?

Websites - Lojas Online - Marketing Digital - Gestão de Redes Sociais

MAIS EM GUIMARÃES