“GUIMARÃES MERECE UM PROJETO DE CICLISMO SÓLIDO E ABRANGENTE”

“Guimarães merece um projeto de ciclismo sólido e abrangente”, defendeu José Luís Ribeiro, presidente da Associação de Ciclismo do Minho, aquando da Gala de encerramento da época desportiva realizada no passado sábado, 24 de novembro, no auditório do Campus de Azurém – Guimarães da Universidade do Minho.

Perante um auditório repleto, o dirigente minhoto acusou ainda o presidente da República e o governo de discriminarem o ciclismo, defendeu o reforço dos apoios ao ciclismo regional e de formação, anunciou uma iniciativa junto do poder político para enquadrar todos os eventos na tutela das federações e apelou aos jovens atletas para que não descurem os estudos e conciliem a vida académica com a prática desportiva.

A Associação de Ciclismo do Minho encerrou a época desportiva de 2018 com uma Gala em que, além da consagração dos Campeões do Minho e dos vencedores das diversas competições, a associação homenageou os minhotos que se sagraram Campeões Nacionais em 2018 e que alcançaram resultados internacionais de relevo.

“Guimarães merece um projeto desportivo de ciclismo sólido e abrangente direcionado para todas as vertentes da modalidade e que promova a prática desportiva nas variantes de lazer, iniciação e competição”, referiu no final da Gala o presidente da ACM lembrando que “Guimarães tem excelentes condições para a prática do ciclismo, tem um Centro de Ciclismo único vocacionado para o BTT, tem atletas, tem dirigentes, tem paixão, tem tradição, tem história e tem futuro. Enquanto representantes da Federação Portuguesa de Ciclismo, dentro das nossas possibilidades, apoiaremos esse projeto”, assegurou o dirigente.

Na intervenção de abertura da 10.ª Gala da ACM, José Luís Ribeiro acusou também o presidente da República, o governo, algumas autarquias e a comunicação social de discriminarem o ciclismo.

“Onde estavam o presidente do República e o governo quando ciclistas portugueses conquistaram títulos europeus e mundiais? Como é possível um presidente da República e o governo continuarem a discriminar o ciclismo e a não atribuírem tratamento igual às modalidades e aos feitos desportivos das modalidades amadoras? Quantos títulos internacionais será necessário o ciclismo voltar a conquistar para que os titulares de cargos públicos se dignem reconhecer a modalidade?”, questionou o presidente da Associação de Ciclismo do Minho afirmando que “existe muito mais desporto para além do futebol”.

Na 10.ª edição da Gala da ACM foram homenageados os atletas minhotos que se sagraram Campeões Nacionais em 2018 e que conquistaram resultados de relevo a nível internacional. De igual modo, foram entregues os prémios finais do Campeonato do Minho de Ciclismo de Estrada – Arrecadações da Quintã, Campeonato do Minho de BTT XCO – Raiz Carisma, Campeonato do Minho de BTT DHI – CISION, Campeonato do Minho de BTT XCM – AFA Cycles e das Taça do Minho de Ciclismo de Estrada – Arrecadações da Quintã e de BTT XCO – Raiz Carisma.

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

©2018 MAIS GUIMARÃES - Super8

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?