Guimarães quer rumar em direção a “uma cidade, um planeta”

Mohan Munasinghe, laureado com o prémio Blue Planet 2021 e Prémio Nobel da Paz em 2007, e Jane Carruthers, professora emérita e historiadora ambiental da Universidade da África do Sul, foram os dois elementos do Comité Externo de Acompanhamento da Candidatura de Guimarães a Capital Verde Europeia que marcaram presença na reunião que decorreu na tarde de segunda-feira, 28 de novembro. No Laboratório da Paisagem, juntaram-se ainda os restantes elementos da Estrutura de Missão Guimarães 2030, uma estrutura que tem como objetivo o desenvolvimento sustentável de Guimarães e a submissão de uma nova candidatura a Capital Verde Europeia 2025.

© Direitos Reservados

A reunião, presidida por Domingos Bragança, acompanhado dos vereadores com competências delegadas, teve como objetivo avaliar o trabalho efetuado até ao momento, e ouvir as sugestões e opiniões dos membros do Comité Externo, bem como dos restantes presentes, assumindo “uma importância enorme”. O edil referiu ser fundamental que Guimarães apresente “marcas distintivas” para se afirmar, enquanto cidade de média dimensão, no panorama europeu da sustentabilidade ambiental.

Após ter sido feita uma apresentação por Mohan Munasinghe que teve como objetivo indicar um caminho de harmonização social e económica com vista à sustentabilidade, Domingos Bragança referiu que, “por vezes, são as aparentes fragilidades que fazem com que sejam superados os obstáculos mais difíceis”. No caso, trata-se de, “a partir do local para o global, Guimarães conseguir ser uma cidade referência a nível europeu e mundial no que diz respeito ao respeito pelo Planeta, à neutralidade climática, e à vida em sociedade que permita manter o nível de desenvolvimento económico e social, ao mesmo tempo reduzindo os recursos utilizados”.

Para o presidente da Câmara, e também para os membros do Comité Externo, a grande conquista de Guimarães é ter a envolvência dos cidadãos. “Podemos potenciar a sociedade na defesa dos valores ambientais através de uma base mais transformadora de ruturas em relação ao passado, e que passa pela interiorização de uma forte consciência ecológica e ambiental dos cidadãos, num processo que deve efetivar-se das bases para o topo”, referiu.

Isabel Loureiro e Carlos Ribeiro, da Estrutura de Missão Guimarães 2030, apresentaram os últimos desenvolvimentos do trabalho realizado, enfatizando o “foco no cidadão”. Exemplo deste foco foi a auscultação massiva e rápida realizada aos alunos das escolas secundárias e a cidadãos, que permitiu recolher 408 ideias e estabelecer 235 compromissos.”Hoje, o cidadão já nos procura”, disse Isabel Loureiro.

“Guimarães, como cuidadora da Casa Comum” foi também um dos motes que saiu desta reunião, a partir de uma ideia de Mohan Munasinghe de “consenso social”, não no sentido de unanimidade, mas no sentido da definição das prioridades da vida em sociedade.

©2023 MAIS GUIMARÃES - Super8

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?