Habitação, natalidade e fixação de população são preocupações da Coligação JpG

A Coligação Juntos por Guimarães (JpG) reuniu no sábado, dia 3 de julho, para “pensar no futuro” do Município. Habitação, natalidade e fixação de população, emprego e atratividade industrial, são os eixos do programa da Coligação que Bruno Fernandes deixou claros na sua intervenção.

Além dos diversos autarcas e candidatos da Coligação, estiveram presentes o eurodeputado, eleito pelo PSD, José Manuel Fernandes e Salvador Malheiro, presidente da Câmara de Ovar e vice-presidente da Comissão Política Nacional do PSD, que realçou que “Guimarães devia ser uma centralidade nesta região e ainda não é porque tem, repetidamente, falhado esse objetivo”.

Para Bruno Fernandes, candidato da Coligação JpG, a habitação e a fixação dos jovens é um problema do concelho. “É a própria Câmara que reconhece nos seus documentos o problema, mas não implementa políticas para o resolver”, afirma recordando o Plano Municipal de Juventude, elaborado pelo Município. “Esta é uma área prioritária, resolver os problemas de habitação dos jovens e das famílias e resolver o problema dos bairros sociais”.

Mostrando-se preocupado com a perda de população, Bruno Fernandes questionou como é que “um centro industrial, com uma universidade não é capaz de captar população”. Deixou claro que “as questões da natalidade e do emprego serão também preocupações da candidatura”, atribuindo ainda importância à falta de soluções para as famílias que precisam de creches para os seus filhos mais pequenos. “Não podemos queixar-nos da perda demográfica e depois ter um território em que os casais jovens não encontram uma creche para colocar os seus filhos”.

Para o candidato da Coligação “é preciso uma política de solos para acolhimento empresarial e requalificar os parques industriais existentes”. Frisou que a falta de atratividade para as empresas está relacionada com a falta de atratividade para as pessoas que “nas freguesias limítrofes fogem para os concelhos vizinhos”. A interligação entre a cidade e as vilas foi outro dos temas da intervenção de Bruno Fernandes, chamando a atenção para o tempo que se demora para chegar a qualquer ponto do concelho.

Terminou, frisando que “não há liberdade em Guimarães”. Para a JpG, os munícipes e as associações “não se podem manifestar ou queixar das ações do Município sem temerem sofrer represálias”.

©2021 MAIS GUIMARÃES - Super8

Publicidade

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?