HSO EM ESTUDO INTERNACIONAL SOBRE CÁPSULA ENDOSCÓPICA

 

A cápsula endoscópica, utilizada no diagnóstico na Doença de Crohn, apresenta cada vez menos perigos de retenção. O Hospital da Senhora da Oliveira (HSO) participou no estudo que chegou a essa conclusão.

A cápsula endoscópica continua a render reconhecimento ao Serviço de Gastrenterologia do Hospital da Senhora da Oliveira, em Guimarães. E isso acontece, principalmente, “quando este exame é utlizado como meio do diagnóstico na Doença de Crohn”, como indica o Gabinete de Comunicação daquela instituição

Prova desse reconhecimento foi a participação do Diretor do Serviço de Gastrenterologia, José Cotter, “num grande estudo de metanálise sobre o problema da retenção da cápsula endoscópica nesta doença”, na Clínica Mayo, um dos principais centros hospitalares nos Estados Unidos. Nessa investigação participaram “as maiores autoridades mundiais na utilização da cápsula”, tendo sido publicada na revista “IBD: Inflammatory Bowel Diseases” da Universidade de Oxford.

A cápsula endoscópica é utilizada como método de diagnóstico e tem “uma câmara incorporada” com o propósito de captar “imagens do tubo digestivo”. Esse processo acontece desde o momento em que a cápsula é engolida até ser expelida. A câmara chega a captar 35 imagens por segundo. Permite a visualização do intestino delgado, cujo acesso é, normalmente, difícil — pelo menos através dos métodos convencionais. Contudo, “a principal complicação desta técnica é a eventual retenção da cápsula no tubo digestivo”.

O estudo apontou que a retenção tem sido “muito rara”, sendo menor em crianças e mais comum em adultos. As conclusões são, portanto, “muito positivas”. O Diretor daquele serviço afirmou que os resultados apontam para um “caminho certo na abordagem” dos doentes.

©2021 MAIS GUIMARÃES - Super8

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?