Jornadas Históricas e Exposição Retrospetiva marcam o programa da Afonsina 2021

Sem a possibilidade de voltar ao formato de espetáculo de rua popular, o programa da Feira Afonsina 2021 fica reduzido às II Jornadas Históricas e a uma Exposição Fotográfica Retrospetiva.

Foto: Rui Dias

Além da Exposição Retrospetiva das edições da Feira Afonsina, de 2011 e 2019, que vai decorrer no Monte Latito, entre 24 e 27 de junho e das II Jornadas Históricas, que acontecem no dia 19, no Paço dos Duques de Bragança e na Casa de Sarmento, a vereadora da Cultura, Adelina Paula Pinto, anunciou uma “cerimónia do 24 de junho num formato um pouco diferente”.

“Será este mix que teremos este ano, a Feira Afonsina é um evento de rua de muito difícil controlo”, justificou a vereadora, ao anunciar que, em 2021, mais uma vez não haverá o evento de rua.

“Esperemos estar aqui, em 2022, com um programa mais extenso”, foi o desejo que Adelina Paula Pinto deixou no ar.

Na apresentação, feita no Paço dos Duques de Bragança, com presença de Antero Ferreira, diretor da Sociedade Martins Sarmento, da diretora do Paço dos Duques e da vereadora, foi anunciada a publicação da Revista com as atas das comunicações feitas nas I Jornadas Históricas, que aconteceram em 2019. Esta publicação estava prevista para 2020, mas acabou por não acontecer porque todos os eventos à volta da Feira Afonsina foram cancelados.

As Jornadas Históricas são um evento científico que, desde 2019, foi adicionado à Feira Afonsina. Pretendem dar visibilidade às investigações que se vão produzindo sobre a época medieval. Esta edição incide sobre “o Papel da Mulher na Idade Média”.

Adelina Paula Pinto salientou a importância de “acrescentar as Jornadas Históricas, para um melhor conhecimento desta época”.

As Jornadas contam com a participação de académicos das Universidades do Minho, Porto, Lisboa e Santiago de Compostela e com jornalistas e escritores de relevo.

Luís Carlos Amaral, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, apresenta uma comunicação intitulada “D. Teresa e o Governo da Terra Portucalense (1112-1128)”; Joana Gomes, do Instituto de Filosofia da Universidade do Porto, apresenta “Relatos lendários e a representação do poder político das mulheres na Idade Média peninsular”; “Alimentar, vestir e vender: a participação feminina no trabalho urbano”, é a comunicação que Mariana Alves Pereira, da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, traz às Jornadas; Sofia Kinnon, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto fala sobre “D. Beatriz: uma infanta portuguesa no Reino Inglês (c.1380-1439).

A conferência de encerramento é proferida por Israel Sanmartin, professor de História Medieval da Faculdade de Geografia e História da Universidade de Santiago de Compostela, com o título “O papel das mulheres na construção do milenarismo plenomedieval de Raoul Glaber”.

Na Casa de Sarmento decorre uma mesa redonda que tem como oradores Isabel Stilwell, jornalista e escritora de romances históricos e Arnaldo Sousa Melo, professor no departamento de História do Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho.

©2021 MAIS GUIMARÃES - Super8

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?