Mulheres vimaranenses brilharam no 8.º BTT XCO Centro Ciclismo do Minho

As ciclistas vimaranenses Ilda Pereira, Marta Branco e Cecília Araújo brilharam no 8.º BTT XCO Centro Ciclismo do Minho conquistando o primeiro lugar nas categorias de elites, sub 23 e master 30 da prova pontuável para o Campeonato do Minho de BTT XCO – POPP Design realizada em Souto Santa Maria com o apoio da Câmara Municipal de Guimarães.

Foto: Marcelo Lopes/ACM


Promovido pela Associação de Ciclismo do Minho com o apoio da Câmara Municipal de Guimarães, o 8.º BTT XCO Centro de Ciclismo do Minho decorreu em condições de segurança e no cumprimento das orientações da Direção-Geral da Saúde e das normas concertadas entre aquela entidade e a Federação Portuguesa de Ciclismo.


A chuva, em especial durante a manhã, aumentou as dificuldades dos atletas que se deslocaram a Souto Santa Maria para disputar a prova no primeiro circuito permanente de BTT XCO da região norte do País que acolheu em 2019 o Campeonato Nacional de BTT Cross Country Olímpico e em 2018 o Campeonato do Mundo Universitário.


Em elites femininas, Ilda Pereira (Casa Myzé Team) liderou a corrida desde o início, cortando a meta ao fim de 1h13m28s. Depois da ciclista de Guimarães, chegaram à meta Leandra Gomes (AXPO / FirstBike Team / Vila do Conde) e Tânia Cardoso (MonçãoBike/LusoPrint/Bombos S. Sebastião).
A também vimaranense Marta Branco (AXPO/Firstbike Team/ Vila do Conde) triunfou na prova feminina de Sub 23, gastando 1h20m38s para percorrer as cinco voltas à pista de Souto Santa Maria. Joana Santos (Tomatubikers/Toyota – Macedo& Macedo) terminou na segunda posição.
Cecília Araújo, também ela atleta de Guimarães que representa a equipa Figueiras BTT/Lousada/CarvicTeam, superiorizou-se em master 30 e Mónica Serrana (MonçãoBike/LusoPrint/Bombos S.Sebastião) e a Célia Silva (Proteu Cycling Team-Casa do Povo Retorta).


Fábio Ribeiro (Clube BTT Matosinhos) foi o vencedor em elites masculinos e João Jesus (Guilhabreu BTT) em sub 23 masculinos. Simão Rocha (Penafiel Bike Clube) e Catarina Lopes (AXPO/Firstbike Team/Vila do Conde) foram os vencedores em juniores enquanto Tomás Gaspar (Penafiel Bike Clube) e Raquel Gubatska (BTT Braguinhas/Padim da Graça) triunfaram em cadetes.
O espanhol Manuel Parara (C.M.Xesteiras) e a vimaranense Cecília Araújo (Figueiras BTT/Lousada/CarvicTeam) venceram na categoria de master 30, Rogério Matos (Rompe Trilhos/Ajpcar) e Virgínia Moreira (Saertex Portugal – Edaetech) em master 40, António Sousa (individual) em master 50 e Luís Tomé (Korpo Activo/Penacova) master 60.

Ricardo Costa: “Foi com muita satisfação que vi o regresso do Ciclismo a esta pista”

Ricardo Costa, Vereador do Desporto da Câmara Municipal de Guimarães, manifestou-se muito satisfeito com a realização do 8.º BTT XCO do Cento de Ciclismo do Minho. “Foi com muita satisfação que vi o regresso do ciclismo a Guimarães. No ano passado apoiamos a ACM na organização da Taça de Portugal de XCO e do Campeonato Nacional de Downhill – provas que decorreram em segurança e que foram um êxito – e fizemos agora questão de estar novamente na retoma das atividades de ciclismo”, lembrou Ricardo Costa salientando que “as pessoas estavam ávidas e era necessário trazer, novamente, o BTT a Guimarães”.


“Esta é também uma mensagem para o desporto. O desconfinamento está a correr relativamente bem e esperamos que este regresso continue a evoluir, mas também com público. Causa uma grande tristeza passear pela pista e não ver as pessoas a puxar pelos ciclistas, as palmas, os incentivos. Isso faz toda a diferença”, destacou Ricardo Costa.
Ricardo Costa salientou ainda que a pista de Cross Country Olímpico do Centro de Ciclismo do Minho é nuclear, é fantástica” e que “perceber que os ciclistas saem daqui satisfeitos é muito positivo”.
O autarca vimaranense salientou que “Guimarães faz questão de ser uma referência no calendário desportivo neste tipo de competição, e não só, dispondo de excelentes condições para o efeito”. “Há uma matriz já enraizada em Guimarães na vertente desportiva, quer ao nível da promoção de talentos como na organização de grandes eventos, e, ainda, na criação de condições e aposta em estruturas físicas para promover a atividade desportiva, com as melhores condições e segurança”, salientou Ricardo Costa.


Fernando Cardoso: “Agrado em recebermos mais uma prova”

Fernando Cardoso (Presidente da União Freguesias Souto Santa Maria, Souto São Salvador e Gondomar) também se mostrou agradado com o XCO do Centro de Ciclismo do Minho: “É com muita satisfação que recebemos mais uma prova nesta pista. Trabalhamos todos os dias para que isto seja possível”. Esta é uma mensagem de esperança que deixa passar à população? “Estamos a atravessar uma fase difícil, mas se todos fizermos a nossa parte, vamos conseguir ultrapassar isto e em breve cá estaremos com multidões para assistir a estes grandes eventos”, respondeu Fernando Cardoso lembrando que o Centro de Ciclismo do Minho “é um local muito seguro, temos 17 hectares de terreno neste parque e as pessoas, que têm autorização para entrar, podem estar bem separadas, sem haver ajuntamentos. É um local ideal para realizar este tipo de provas”.


Foto: Marcelo Lopes/ACM


Ilda Pereira: “Correr no Minho é muito especial”

Vencedora na categoria de elites femininas, Ilda Pereira explicou as dificuldades em vencer: “Nunca é fácil. Se há coisa que eu aprendi é que no ciclismo nunca há provas fáceis porque nós, atletas, tornamos a prova dura. Se o circuito é fácil, nós impomos mais ritmo, se as adversárias, e com todo o respeito, não são tão fortes, nós queremos potenciar isso e deixar um legado, portanto, nunca há provas fáceis”.


A piso apresentou-se bastante pesado, mas Ilda Pereira desvalorizou essa circunstância: “eu vejo sempre estas adversidades como formas de evoluir. A lama ajuda nesse sentido, para ficar mais forte. Claro que a pista fica mais dura, mas zonas técnicas temos de ter mais condução, mas eu acho isso delicioso no Ciclismo”.

Quanto ao facto de vencer em casa, a ciclista vimaranense garantiu ser sempre importante vencer mas “é muito importante ganhar em casa, no Minho”. “Para mim uma prova regional do Minho é muito importante e eu nunca vou deixar de fazer o Minho. É verdade que as nossas prioridades vão mudando, mas correr no Minho é para mim muito especial. Foi aqui que aprendi, e tive que aprender rápido porque cheguei ao ciclismo já em Elites, sem escola nenhuma. O Minho foi a minha escola, é a minha casa e se há coisa que temos de ter orgulho é em quem cuidou de nós e eu tenho uma gratidão imensa pelo Minho”, explicou.

Marta Branco: “Feliz por vencer em casa”


“É sempre bom vencer em casa” foi assim que Marta Branco (AXPO / FirstBike Team / Vila do Conde), vencedora da corrida de Sub 23, abordou o triunfo no BTT XCO do Centro de Ciclismo do Minho.
A ciclista de Guimarães considerou que “foi uma corrida puxada, o piso estava muito difícil devido à chuva dos últimos dias”, mas “foi uma corrida que correu muito bem”.

É uma prova que te deixa motivada? “É uma prova que me deixa muito feliz e motivada para as corridas da Taça de Portugal. foi importante ganhar, mas acima de tudo fazer a corrida que fiz, é um bom teste”.


Fábio Ribeiro, vencedor em Elites, considerou que a esta foi uma corrida “de nível elevado”, pois “contou com um lote de atletas muito bom”. Por isso “não foi uma vitória fácil. Foi uma corrida mais de inteligência e física. Andamos num grupo de quatro e era preciso fazer diferenças entre nós. Foi uma seleção e acabei por fazer uma corrida direitinha e segura”.

©2021 MAIS GUIMARÃES - Super8

Publicidade

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?