O SOL QUE BATE NO MIRAL AQUECE E ILUMINA A CULTURA QUE SE VIVE EM PEVIDÉM

Esta é uma história que se estende pelas décadas. As personagens são de Pevidém. O gosto pelo teatro e pelas artes performativas entranhou-se-lhes no sangue há muito tempo. E o culminar (provisório) de mais de 40 anos da fórmula teatro e força da comunidade é a Vintena MMXX, a mostra internacional que arrancou no dia 20 e que se estende ano fora.

Auditório do Salão Paroquial recebe a Vintena MMXX. ©Nuno Rafael Gomes/Mais Guimarães

Há um portão verde, na rua do Miral, em Pevidém, que é uma entrada para os bastidores de alguns dos maiores eventos daquela vila. Por lá encontram-se alguns dos que ajudam a erguer os carros alegóricos do Carnaval, os comboios do Natal e as decorações que fazem prender o olhar. Supostamente, é tudo amador — e voluntário. Só que os esforços da Sol no Miral, a associação cultural que surgiu para dar assegurar esses eventos de Pevidém e que sucede ao Teatro Coelima — ainda hoje os dois nomes se confundem, mas o teatro continua a existir e é parte essencial da associação — há muito que é vista, por ali, como profissional. É um trabalho comunitário que se alongou pelas décadas e que confere à vila uma dinâmica cultural que já faz parte do ADN de quem, com orgulho, diz ser de Pevidém.

Rui Fernandes, presidente da Sol no Miral, camisola do Teatro Coelima vestida, faz a visita guiada pelas instalações da antiga fábrica da Coelima e apresenta João Faria Ribeiro, 74 anos, e António Moreira, de 65. “Estes são os homens que andam a molhar o pincel”, brinca, em jeito de apresentação. O mais velho já se dedica à causa há 40 anos e garante: “O Carnaval não pode acabar!”

Rui Fernandes é o diretor da Sol no Miral. ©Nuno Rafael Gomes/Mais Guimarães

Marca da vila no concelho de Guimarães, a festa esteve em risco até que a associação, que ainda não o era, em termos oficiais, na altura, lhe pegou com afinco e a reinventou. E, hoje, a produção de espetáculos e eventos é parte forte da Sol no Miral, ainda que o teatro amador continue a ser a sua alma. E é quase tudo made in Pevidém: “Tentamos sempre dar um toque original, à nossa medida, às coisas, e isso torna-as diferentes. Não vamos buscar fora. Produzimos e fazemos a maior parte das coisas e temos uma equipa de pessoas reformadas que dá um apoio fantástico nas mais diversas áreas, da carpintaria à serralharia. Estão sempre a trabalhar, a fazer o que é necessário.”

A comunidade envolve-se e é dessa entreajuda que se erguem instituições como esta. António Moreira diz mesmo que “isto é um part time”. Perto dos dois pintores, que hão de “subir ao carro no Carnaval”, encontra-se o “chefe da carpintaria”. António Cunha, 69 anos rejeita logo o título atribuído por Rui Fernandes: “Aqui somos todos chefes!” Para o pevidense, o trabalho é da maior importância para a vila: “Se ninguém fizesse isto, acabava-se o Carnaval. Toda a gente pode ajudar. A minha mulher também trabalha para a festa.” As gentes da terra e as instituições dão; agora, a Sol no Miral dá de volta. O diretor da associação gaba a “excelente acústica” do auditório do salão paroquial, mas reconhece que, “hoje em dia”, há outras preocupações quando se organizam espetáculos: “Apostamos nas condições e na qualidade técnica. É uma sala com 200 pessoas, temos de pensar nisso, também.” Foram colocadas bambolinas e limitou-se a lotação a sala, “porque fazia sentido”. “Termos 200 espetadores é o ideal. Se for muito mais do que isso, esgota-se uma peça de teatro numa sessão”, explica.

António Cunha cuida da carpintaria da associação. ©Nuno Rafael Gomes/Mais Guimarães

Uma herança social e cultural

Os três trabalhadores não faltaram à abertura da Vintena MMXX, a Mostra Internacional de Pevidém, que decorreu no Salão Paroquial da freguesia na passada segunda-feira, dia 20 de janeiro, às 20h20. Vinte, o número; teatro, a causa. E toda a família marca presença: “Também veio a mais nova, a minha neta, ela anda sempre atrás de nós. É para meter-lhe já o gosto por isto, sabe?”, atira António Cunha. Nas primeiras filas da sessão de abertura, com direito a vários discursos, também se encontravam os homens do pincel. E na peça de teatro que abriu a Vintena MMXX, “O Mais Longo Verão”, da Teatro Vitrine, de Fafe, os 200 lugares disponíveis no auditório do salão estavam quase todos ocupados. Resultado de uma adaptação do Teatro Coelima ao público, opina o presidente da junta de freguesia, que não se deixa surpreender pela adesão: “As pessoas de Pevidém consomem teatro. Naturalmente, aparecem.” Ao longo do seu discurso na sessão de abertura, Angelino Salazar reforçou o papel “muito importante do Teatro Coelima na comunidade”, que extravasa a dimensão cultural. “A cultura também é herança social”, sublinhou. E Angelino Salazar admitiu a “dívida” de Pevidém para com o grupo: “Não temos capacidade para vos pagar o que fizeram por esta comunidade.”

Nas palavras de Adelina Paula Pinto, são exemplos como a Vintena MMXX que contribuem para a política cultural “de complementaridade” entre o centro da cidade e o resto do concelho, já que o município não procura impor “uma cultura exclusivamente urbana”. Até porque, fez notar a vereadora da Cultura, “Pevidém é um território com uma dinâmica cultural peculiar” — e isso, ao longo das décadas, propulsa muito para lá da quantidade de eventos culturais. “Temos também a questão da mobilidade social. Hoje, há pessoas ligadas à música, por exemplo, que, se não fosse pelo Teatro Coelima, trabalhariam numa fábrica”, concluiu.

Abertura da Vintena MMXX aconteceu na segunda-feira, dia 20. ©Nuno Rafael Gomes/Mais Guimarães

Já o presidente do Câmara Municipal, Domingos Bragança realçou a importância das expressões artísticas. “Aprendemos melhor a interpretar a inquietação, o bem-estar, o desconforto, o sossego e o desassossego”, disse, acrescentando que “a cultura é fundamental” para se perceber “as causas essenciais para mudar o mundo”. E, num território com “tradição cultural inegável”, como o descreveu António Ponte, Diretor Regional da Cultura Norte, é importante reconhecer que “a cultura e o património sustentam as comunidades”.

Esticar o tempo

Corria 2009 quando José Torres, de 25 anos, deitou “uma mão” ao Teatro Coelima “para que a tradição do Carnaval não acabasse”. WVolvidos quase 11 anos, o agora ator — poderemos vê-lo em cena na peça “Repartição”, no próximo sábado, no Centro Internacional das Artes José de Guimarães (CIAJG) — divide o tempo dedicado à causa do teatro amador com a profissão que escolheu seguir. O agente de fiscalização conta que o seu pai já fazia parte do teatro. “Não estava nos planos acontecer eu, também, fazer parte”, diz. Mas faz o reparo: “No meu trabalho, também tenho de ser ator!” A herança do legado Coelima cola-se à pele de muitos dos que vivem em Pevidém (e nas terras vizinhas). De facto, a Coelima — que nos anos 60 chegou a dominar o têxtil a nível global — agregava uma infinidade de serviços: havia habitação social, mas também supermercado. Formavam-se engenheiros nas unidades de manutenção. Floresciam grupos culturais e equipas de modalidades como ciclismo e futebol. E eram muitos os que trabalhavam para a empresa.

José Torres: agente fiscal e ator. ©Nuno Rafael Gomes/Mais Guimarães

É uma herança cultural e social e aplica-se, para além de José Torres, a Rui Fernandes, que tem praticamente a mesma idade que o Teatro Coelima (enquanto “instituição”): 43 anos. E nem ele tinha ideia de fazer teatro. A ligação iniciou em 2000 com uma formação d’ A Oficina e, a partir daí, carrega uma máxima: “Com as letras fazem-se coisas.” Para além de diretor da Sol no Miral, ocupa-se com a área que se seguiu ao seu tempo na Coelima, a hotelaria. Ele é encenador, não se vê como ator, mas garante que nenhum “faz disto vida”. “É essa a essência do teatro amador. O compromisso. Ter dois full time”, diz. E isso faz com que, por muitas vezes, 24 horas não cheguem: “É esticar o tempo e abdicar, muitas vezes, do descanso e do lazer. Mas há sempre retorno.”

A recompensa mora nos aplausos da audiência, nos risos do público da vila e de outras vilas do país, na itinerância caraterística do teatro amador. “O teatro tem de se adaptar ao público. Há peças que resultam com o público de Pevidém, outras que não. Acho que falta, às vezes, perceber isso”, explica. Por isso, o ator e agente de fiscalização reconhece o trabalho do município para levar a cultura a outros lugares que não o centro da cidade, mas é da opinião de que há freguesias por explorar nesse âmbito: “Aqui temos muitas coisas. O teatro, a música, as tradições. Mas há freguesias sem grupos e é preciso dinamizar essa parte, levar lá a cultura.” A arte, na sua ótica, “tem de ser pensada” para agradar ao público. E “incutir a educação cultural” é muito importante. Para Rui Fernandes, “esse é o caminho”: as artes, a expressão dramática, o teatro. O mesmo pensa a vereadora da Cultura do município: “A educação cultural deve estar presente desde pequeninos. Até mesmo desde dentro da barriga da mãe.”

Em Pevidém, poucos serão os que não fazem por isso. É ver a neta do senhor Cunha pela mão dos avós a ter a oportunidade de ver pelo menos 17 espetáculos de teatro amador de todo o país e da Galiza ao longo de 2020 na Vintena MMXX. De Braga a Avintes, passando por Verín e Vigo (Espanha) ou Angra do Heroísmo. Em 2020, Pevidém autoproclama-se Capital nacional do Teatro.

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

©2020 MAIS GUIMARÃES - Super8

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?