Oposição diz que “falta de planeamento e organização” das obras prejudica os cidadãos

No período antes da ordem do dia, na reunião de Câmara desta segunda-feira, dia 08, o vereador Hugo Ribeiro, eleito pela coligação Juntos por Guimarães (JpG) disse não compreender o porquê de “tantas obras” estarem a ser feitas “em simultâneo num local onde não existem percursos alternativos”, referindo-se à requalificação da estrada municipal 207-4 para S. Torcato e Gonça, da construção da rotunda com ligação para Selho S. Lourenço, e que coincide com a requalificação da via de ligação a Fermentões por Selho S. Lourenço e Pencelo.

“Se calhar compreender até consigo porque, estando nós em ano de eleições, é perfeitamente plausível que elas comecem a ser executadas em simultâneo, e todas juntas de uma só vez. Mas temos que atender Sr. Presidente, que nem tudo vale, é preciso que possamos acautelar o quotidiano do vimaranense, das pessoas que levam o seu dia-a-dia, que precisam de se deslocar. Há uma falta de planeamento por parte do município, e as obras podiam ser feitas “de forma separada”, disse o vereador, falando num “martírio porque passam muitos vimaranenses” que circulam naquela rua.




Hugo Ribeiro reconhece que as obras que estão a ser executadas “são da máxima importância, que deveriam ter sido feitas há muito, e vão significar uma melhoria de vida para as comunidades, mas não deveria ser “a qualquer custo”.

Obras em curso “causam transtorno, mas são estruturantes para o território de Guimarães”, diz Domingos Bragança

Domingos Bragança apela à compreensão dos Vimaranenses e diz que, “quando concluídas, o benefício que trarão vai justificar os sacrifícios exigidos”.

Aludindo às obras de requalificação da EM 207-4 e da rotunda que está a ser construída na ligação a Selho S. Lourenço, Domingos Bragança disse não se tratar de uma “simples repavimentação, mas antes uma obra exigente que tem que resolver questões ligadas com a rede de distribuição de água, o saneamento, as águas pluviais e as telecomunicações, e que tem tido alguns contratempos, nomeadamente a pandemia de Covid-19 que tem afetado o normal contributo dos trabalhadores, as condições climatéricas adversas que se têm feito sentir desde novembro de 2020 e o penedo que se encontra no subsolo e que requer um trabalho mais intenso de remoção”.




Contudo, o Presidente da Câmara chama a atenção para o facto de esta ser uma obra importante para melhorar as condições de acessibilidade e de segurança rodoviária daquela zona, referindo também que o processo que medeia a execução do projeto e a conclusão da obra passa por várias etapas morosas e necessárias”.

Referindo-se aos constrangimentos que a obra provoca na mobilidade das populações, o presidente da Câmara disse estar “ciente do incómodo provocado, mas mostrou-se convicto de que, no final, todos poderão constatar os benefícios que as requalificações em curso aportarão”.

Domingos Bragança referiu-se ainda à obra de requalificação da ligação Fermentões – Pencelo – Selho S. Lourenço como um exemplo da filosofia das intervenções que se pretendem para o território.

“Nesta obra, estamos a fazer praticamente tudo de raiz, desde o canal de circulação, cujo piso foi todo levantado, até aos passeios e à eletrificação. Não queremos simples repavimentações, queremos obras estruturantes que requalifiquem a nossa rede viária, tornando-a moderna e adaptada às novas exigências da mobilidade do século XXI”, disse.

Variante de Creixomil será repavimentada no verão

O Presidente da Câmara referiu-se ainda a algumas das obras já concluídas ou em vias de conclusão,  como a ligação da rotunda do Reboto à rotunda de Mouril, a mini-variante de Silvares, e o desnivelamento da rotunda da autoestrada, a que se seguirá a repavimentação da variante de Creixomil durante o verão, como exemplo de obras complexas que, quando concluídas, justificam todo o esforço realizado.

©2022 MAIS GUIMARÃES - Super8

Publicidade

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?