A partir de que idade é que me devo prerocupar com as doenças da prostata?

Por Preza Fernandes,
Urologista.

Na crónica deste mês, optei por abordar uma questão que me é colocada diversas vezes! Quando é que um homem se deve preocupar com as doenças da prostata? Sendo o urologista o médico mais “temido” pelo sexo masculino (qual bicho papão!), importa desmistificar medos para evitar diagnósticos tardios!

Antes de mais, importa explicar o que é a prostata e para que é que serve. A prostata é um orgão sexual masculino, cuja função é contribuir com nutrientes para líquido espermático aquando da ejaculação, contribuindo para a fecundação. Está localizadapor baixo da bexiga e “abraça” a uretra (canal por onde a urina é expulsa da bexiga para o exterior). Afim de uma melhor compreensão das doenças da prostata, podemos dividir este orgão em duas zonas: uma mais periférica e outra mais interna (e portanto em contacto mais próximo com a uretra). Anatomicamente existem outras zonas mas para o propósito deste texto, desenhemos este orgão desta forma mais simplificada! As duas grandes doenças que falaremos são a Hiperplasia Benigna da Prostata (HBP) e o Cancro da Prostata e têm origem nestas regiões.

A HBP, é uma doença que se desenvolve na zona mais interna deste orgão e como o nome indica é uma patologia benigna. Lembrando que esta zona está em redor da uretra, conseguimos entender que qualquer aumento do seu volume irá promover uma obstrução à saída da urina. Isto pode causar o aparecimento dos chamados sintomas da prostata (dificuldade em começar a urinar, saída de um jacto fraco e interrompido, aumento do número de vezes de idas ao WC, sensação de que não se esvazia a bexiga até ao final ou eventualmente retenção súbita de urina). Este problema pode afectar 2 em cada 3 homens a partir dos 40 anos. Com o aparecer das queixas, o homem que sofre procura ajuda! No entanto os sintomas podem ser frustes ou serem ignorados e a ajuda pode ser só procurada em fases mais avançadas do problema.

Já o cancro da prostata tem origem na maioria das vezes, na zona periférica do orgão. Como esta zona não está em contacto com as vias urinárias, torna-se uma doença em suma silenciosa! O PSA (Prostate Specifc Antigen), é uma análise feita ao sangue, que apareceu no final dos anos 80 e que revolucionou o diagnóstico e curso desta doença. Anteriormente o diagnóstico acontecia em fases muito avançadas ou quando se palpava algum nódulo ou endurecimento na prostata durante o toque rectal (o malfadado exame desconfortavel mas indolor que tanto afasta os homens do urologista!). O aparecimento do PSA permitiu, desde aí, salvar muitos homens através de um diagnóstico atempado. Mais recentemente, a ressonância magnética (RMN) multiparamétrica da prostata, veio permitir determinar se existe algum nódulo suspeito a merecer biópsia (a ecografia da prostata de nada serve para avaliar nódulos prostáticos). O diagnóstico final de cancro, faz-se através da biópsia da prostata. Este exame irá permitir determinar se existe ou não doença e qual o seu grau de agressividade.

Assim sendo voltamos a pergunta inicial: quando é que um homem se deve importar com prostata e as suas doenças?
Como estes são problemas que se começam a surgir a partir dos 40 anos e é partir desta idade que se deve estar mais atento.

A HBP como causa sintomas que podem afectar a qualidade de vida, leva mais facilmente a que os homens peçam ajuda ao seu médico para solucionar o problema. Sugiro então que todos os homens estejam atentos a eventais queixas miccionais (atrás explicadas) e que aquando alguma queixa, procurem o seu médico ou um urologista para auxilio. Nem tudo passa por cirurgia ou medicamentos e nem todo o tratamento afecta a vida sexual do homem que se queixa.

O cancro da prostata já merece outra atenção pelo seu curso silencioso. Não existe um consenso alargado sobre quando começar a vigilância e como fazê-la. O exagerado diagnóstico de doenças indolentes levou a que se determinasse que não é necessário um rastreio sistemático da população masculina para esta doença (como nas mulheres no rastreio do cancro da mama). A indicação actual é determinar individualmente o risco pessoal (ex. Familiares em primeiro grau com cancro da prostata) e agir em acordo através de um rastreio oportunista. Assim sendo eu como urologista sugiro (em acordo com a American Urological Association) que todos os homens devem realizar um PSA pelos 40 anos e se o seu valor for inferior a 0.8ng/ml pode repetir esta análise apenas oito anos depois. Se o valor for superior deve ser realizada uma vigilância mais curta e individualizada. Homens com familiares directos com diagnóstico de cancro da prostata devem ser vigiados (PSA e Toque rectal e eventualmente RMN ou Biópsia) de uma forma mais sistemática desde os 40-45 anos.

Os tempos evoluiram e hoje em dia dispomos de ferramentas para diagnosticar e tratar estas duas doenças de forma eficaz e minimamente lesiva. Uma vigilância atenta permite um diagnóstico mais precoce, com uma taxa de sucesso melhor e uma maior qualidade de vida do homem afectado. Não descure a sua saúde por medos desnecessários, procure ajuda e previna-se!

Ps. Existem obviamente outras doenças da prostata menos frequentes e que podem afectar o homem mas que por limitações de espaço não foram aqui incluidas.

©2022 MAIS GUIMARÃES - Super8

Publicidade

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?