“EU USO TERMOTEBE E O MEU PAI TAMBÉM” NO CCVF

@ Carlos Gomes

Esta sexta-feira, 20 de abril, o autor e encenador Ricardo Correia traz ao Centro Cultural Vila Flor (CCVF) o seu mais recente espetáculo, “Eu uso termotebe e o meu pai também”, uma peça que toca na ferida e fala da história do operariado para não deixar esquecer a crise no setor fabril. “Eu uso termotebe e o meu pai também” parte da recolha de testemunhos em comunidades de operários fabris de várias cidades do Vale do Ave – entre elas Guimarães – transfiguradas pelas ruínas dessa indústria e que aguardam ainda um novo El Dorado. Ao desenhar um arco sobre a história e as contradições do trabalho, reflete-se sobre a condição de operário e a sua emancipação até aos dias de hoje. A peça sobe ao palco do Pequeno Auditório do CCVF às 21h30.

“Eu uso termotebe e o meu pai também” parte de uma pesquisa sobre os processos de transmissão da memória relativa ao trabalho em Portugal. Este espetáculo, que Ricardo Correia escreve e dirige, é uma investigação sobre a influência da mecanização industrial no pensamento de gerações de operários e patrões. Ao desenhar um arco sobre a história e contradições do trabalho, reflete a condição de operário e a sua emancipação, bem como as mutações da sua identidade ao longo de várias gerações, desde os remotos operários fabris até aos novos operários do século XXI. Pretende refletir sobre a transformação do trabalho, o seu impacto e respetivas consequências na contemporaneidade.

A construção da peça é feita a partir da recolha de testemunhos em comunidades de operários de várias cidades portuguesas transfiguradas pelas ruínas dessa indústria e que aguardam ainda um novo El Dorado. Para título, o encenador evoca a termotebe, a mítica camisola interior dos anos 80, produzida em Barcelos, numa fábrica há muito encerrada. É precisamente na zona do Vale do Ave que sempre existiu grande tradição no setor têxtil, área em que ao longo de gerações as famílias trabalharam, sendo este o sustento de grande parte dos agregados familiares da região. Entretanto, a crise chega e arrasa com a indústria. Pequenas e grandes fábricas fecharam, deixando ao desalento centenas de famílias que viram a vida ruir diante dos olhos. A implosão de uma indústria que se achava sólida e atirou para o desespero famílias inteiras.

Para o encenador, é preciso não deixar esquecer este assunto porque, apesar de já não passarem manifestações na TV nem de se encherem as parangonas dos jornais, esta crise deixou marcas profundas na sociedade que é permanentemente relembrada do que aconteceu. “De certa forma essa realidade continua viva, porque as pessoas vivem ao lado das fábricas que faliram, vivem à volta desses monstros abandonados e quase não fazem o luto disso, porque é o quotidiano”, atenta Ricardo Correia.

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

©2018 MAIS GUIMARÃES - Super8

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?