“GUIMARÃES 2030 PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL” FOI O TEMA PARA UMA CONFERÊNCIA INFORMAL

Ao fim da tarde desta quarta-feira, 18 de abril, no Café Concerto do Centro Cultural Vila Flor, dezenas de pessoas reuniram-se para uma Conferência Informal sob o mote “Guimarães 2030 para o Desenvolvimento Sustentável”. O evento teve como orador principal o Professor Mohan Munasinghe, presidente do Comité Externo de Aconselhamento da candidatura a Capital Verde Europeia 2020, e contou com a presença do presidente da Câmara de Guimarães, Domingos Bragança, e do reitor da Universidade do Minho, Rui Vieira de Castro.

A conferência iniciou-se com um conjunto de reflexões e desejos em torno do futuro de Guimarães enquanto concelho ambiental, económico e socialmente sustentável. De entre os treze participantes convidados, destacou-se o contributo de quatro jovens estudantes –  Inês Sampaio, Francisco Nunes, Sofia Antunes e José Pedro.

Mohan Munasinghe abriu a sua comunicação dizendo que “com estes eco-cidadãos, Guimarães já atingiu mais do que o título de Capital Verde Europeia”, dando relevo à qualidade das intervenções dos treze vimaranenses convidados para fazerem uso da palavra. O renomado especialista na área do crescimento sustentável, que presidiu o Comité Externo de Aconselhamento, explicou qual a chave do sucesso para que o mundo se torne um mundo mais sustentável ao nível dos recursos naturais e, simultaneamente, cresça do ponto de vista económico. Munasinghe insistiu numa ideia que tem vindo a ser disseminada junto da comunidade vimaranense: a de que a “subida da montanha” se faz através dos pequenos passos de cada um de nós, até que se alcance o seu topo. Para o professor Munasinghe, o desenvolvimento sustentável opera em 3 eixos nucleares que são o Ambiente, a Economia e o Social. Ainda segundo Munasinghe, o motor desta mudança deverá residir não nos líderes mundiais de topo, mas nos líderes de médio plano, como são os presidentes de câmara e dirigentes das instituições da sociedade civil, pois são eles que desencadeiam os movimentos locais que concorrem para o global.

No final da preleção de Mohan Munasinghe, interveio Rui Vieira de Castro, reitor da Universidade do Minho, que começou por dizer que a ideia de um título como a Capital Verde Europeia é potencialmente poderosa, mas pode ser também potencialmente perigosa. Poderosa porque imprime mudanças no comportamento político que conduz a práticas que caminham no sentido de um mundo mais sustentável. Perigosa porque pode ser entendida apenas na perspetiva da obtenção de um novo galardão ou marca. 
A encerrar a sessão, Domingos Bragança cumprimentou todos os presentes e agradeceu todo o trabalho realizado até à data, insistindo que “tão ou mais importante que o título de Capital Verde Europeia é o caminho. Um caminho não só de inteligência, mas de emoção e afetos”. O presidente da Câmara recuperou uma ideia forte da apresentação de Mohan Munasinghe, reforçando a importância do empenho de todos os vimaranenses na mudança que se pretende operar, afirmando que “é preciso que a sociedade vimaranense compreenda que a mudança acontece do local para o global”. Esta noção de comprometimento ficou reforçada quando Domingos Bragança referiu: “a equipa para mim é a equipa de todos os vimaranenses”. Domingos Bragança concluiu a sua intervenção dizendo que “o caminho é uma viagem, longa, sempre com novos desafios e dificuldades que temos de resolver. Por ser um caminho difícil, é motivador. Quero que esta forte consciência ecológica dos vimaranenses se espalhe por toda a Humanidade, para bem do nosso planeta e do nosso futuro. Se em 2013 a ideia partiu de mim e da minha equipa, hoje ela é de todos nós. E o caminho vai continuar”.
0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

©2018 MAIS GUIMARÃES - Super8

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?