Regresso às aulas: contactos de baixo risco devem ir à escola

A Direção-Geral da Saúde (DGS) publicou, esta terça-feira, um referencial para as escolas para o próximo ano letivo. A duas semanas do início das aulas, as regras foram revistas.

No referencial, está escrito que o risco de contrair infeção por SARS-CoV-2 é dependente do grau de exposição, sendo os contactos classificados em exposição de alto risco e de baixo risco. Assim, as orientações sobre isolamento profilático vão variar consoante o risco.

  • Os contactos de alto risco estão sujeitos a isolamento profilático até ao final do período de vigilância ativa, a teste laboratorial molecular (TAAN) para SARS-CoV-2, e vigilância ativa na plataforma Trace Covid durante 14 dias, desde a data da última exposição. Perante teste negativo e sendo assintomático deve repetir teste laboratorial molecular. Os coabitantes dos contactos são equiparados a contactos de alto risco e, como tal, são alvo dos mesmos procedimentos.
  • Os contactos de baixo risco ficam sujeitos a vigilância passiva durante 14 dias desde a data da última exposição, cumprimento da Orientação n.º 010/2020 “Distanciamento Social e Isolamento” da DGS, automonitorizar e registar diariamente sintomas, bem como medir e registar a temperatura corporal, duas vezes por dia. Devem limitar os contactos com outras pessoas, reduzindo as suas deslocações ao indispensável (ex: trabalho, escola, casa), adotar as medidas preventivas em permanência e contactar o SNS 24 se surgirem sintomas. Necessita efetuar teste laboratorial molecular (TAAN). Se o teste molecular não estiver disponível ou não permitir a obtenção do resultado em menos de 24 horas, deve ser utilizado um teste rápido de antigénio (TRAg).

“Em situação de cluster ou de surto, todos os contactos (de alto e de baixo risco) devem realizar teste rápido de antigénio (TRAg)”, lê-se no referencial. A Autoridade de Saúde territorialmente competente pode determinar, além das medidas individuais a adotar pelos contactos, outras medidas coletivas como o encerramento de uma ou mais turmas ou zonas da escola, ou de todo o estabelecimento de ensino.

O documento salienta que, “após determinação de isolamento profilático, os contactos de baixo risco e/ou os contactos de contactos cujos testes sejam negativos devem interromper o isolamento profilático, retomando a respetiva atividade letiva”.

©2021 MAIS GUIMARÃES - Super8

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?