Retomar Guimarães: Câmara vai suportar parte dos gastos fixos das empresas

O município, ao abrigo do programa “Retomar Guimarães”, um programa de apoio direto à economia local, cuja proposta de regulamento foi aprovada na reunião de câmara desta segunda-feira, dia 19, compromete-se a pagar, ao longo de 2021, metade dos encargos mensais com as faturas de gás, eletricidade, água, saneamento e resíduos sólidos dos empresários individuais e das empresas sediadas e com estabelecimento no concelho, cuja atividade foi afetada, encerrada ou suspensa, pela pandemia da Covid-19.

O programa surge como “um complemento e reforço local às medidas de apoio económico nacionais, que, de forma reconhecida, são manifestamente insuficientes”, pode ler-se na proposta discutida e aprovada por unanimidade.

Apesar do voto favorável, Ricardo Araújo, vereador do PSD, manteve as criticas apontadas na reunião anterior, dizendo que a medida “chega com um ano de atraso” e que a Coligação JpG, já em abril de 2020, tinha sugerido a necessidade deste apoio.

“Mais uma vez, foi prestado um mau serviço à democracia por cegueira partidária” disse o vereador, que foi mais longe, dizendo que a apresentação desta proposta de regulamento constitui “uma cambalhota, um triplo salto mortal” na política do município, que agora “até prevê a atribuição dos apoios com efeitos retroativos a janeiro”.

O vereador criticou ainda o facto de “95% do texto deste regulamento é igual” ao do município de Famalicão. “E até nos 13 considerandos, 11 são ipsis verbis” àquilo que o município vizinho apresenta.

“Mas mais vale tarde do que nunca. Mas temos pena que este apoio, que já podia estar a ser recebido por muitas empresas há um ano, algumas delas, se calhar já não poderão usufruir dele por não estarem a funcionar e é isso que lamentamos”, terminou Ricardo Araújo.

Ricardo Costa, vereador responsável pelo Desenvolvimento Económico do município lembrou que Famalicão aprovou o seu programa apenas em março deste ano e que Guimarães está “na linha da frente” no combate aos efeitos da pandemia.

“Não sofremos de partidarite aguda, nem sequer partidária, estamos cá em defesa do nosso concelho”. Disse, acrescentando que o regulamento de apoio à economia é uma demonstração da “proximidade que esta Câmara tem para com todos os empresários”.

Relativamente à suposta “cópia” do programa de Famalicão, Ricardo Costa defendeu que se trata de uma “uniformização” de medidas, tal como “o Presidente da Câmara anunciou de que iríamos adotar medidas semelhantes às do Quadrilátero Urbano”.

O vereador responsável pelo Desenvolvimento Económico do município prevê que, durante o mês de maio, os empresários possam já começar a receber os apoios previstos no regulamento do “Retomar Guimarães”.

©2021 MAIS GUIMARÃES - Super8

Publicidade

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?