fbpx

Recordar… o Vitória #15

Por Vasco André Rodrigues,
Advogado e fundador do projeto ‘Economia do Golo’

O inferno tinha ficado para trás!

O Vitória estava de volta ao seu lugar natural… a Primeira Liga.

Sob a mão sábia de Manuel Cajuda, o regresso, muito festejado no Toural, já era parte do passado. Urgia colocar a equipa nos trilhos da estabilidade no campeonato principal.

Contudo, a época, até aquele último desafio, houvera sido sublime… extraordinária. Quem diria que, aquela equipa que há um ano lutava em Olivais e Moscavide ou Gondomar, iria acabar a temporada a sonhar com… a Liga dos Campeões e a olhar para o posto de vice campeão nacional?

Porém, tudo se houvera passado a roçar a excelência e todas as peças do puzzle vitoriano tinham encaixado na perfeição.

Desde a baliza onde Nilson foi imperial, a uma das melhores duplas de centrais de toda a história dos Conquistadores composta por Geromel (haveria de se tornar internacional canarinho e seria uma das maiores transferência de toda a história do clube) e por Sereno, a acabar em Flávio Meireles, um médio defensivo que sempre encarnou a mística do clube e nesse ano quase chegou à selecção nacional, na parte defensiva nada falhou.

No lado ofensivo, houve magia… Alan na direita, o genial esquerdino Desmarets, que era condutor de autocarros em França, no outro lado e com o argelino Kamel Ghilas no centro, o ataque vitoriano primava pela imprevibilidade, pelos golpes de génio, pelos esticões. Na frente talvez, faltasse um homem golo que respondesse a tantas solicitações, mas o sérvio Mrdakovic compensava essa lacuna, com uma alma e uma capacidade de trabalho muito acima da média.

Como resultado, a equipa andou sempre pelos lugares cimeiros, a fazer os vitorianos sonhar com a melhor classificação de sempre. E poderia ter chegado aquele último jogo frente ao Estrela da Amadora com o segundo lugar garantido, se não fossem alguns tropeções inesperados como o empate sofrido em Paços de Ferreira no ocaso do desafio, ou o empate em Belém graças a uma infeliz arbitragem de Jorge Sousa.

Contudo, naquele dia 11 de Maio de 2008, isso já era passado!

Havia um terceiro lugar para conquistar, que significava igualar a melhor classificação de sempre dos Branquinhos e, acima de tudo, a garantia da entrada no play-off da prova mais glamourosa e mediática da Europa: a Liga dos Campeões.

Era, pois, imperioso ganhar aos amadorenses!

Perante um estádio pleno de paixão, ainda a sonhar com uma escorregadela do Sporting que permitisse alcançar o segundo lugar, o Vitória foi como tinha sido na maior parte daquela temporada: seguro na defesa, coeso, solidário e mágico no ataque.

A festa essa demoraria 36 minutos a ser despoletada… canto da direita e Flávio Meireles, o grande capitão da bela epopeia, a cabecear para o fundo das malhas! Prémio justo para quem durante a temporada fora a âncora de uma das maiores surpresas de toda a história dos campeonatos nacionais.

Na segunda metade, os Branquinhos seriam arrasadores… sedutores… imparáveis, ainda que as notícias vindas do jogo dos Leões de Alvalade não permitissem sonhar com a obtenção do desejado segundo posto.

Porém, poucos se importavam… o momento era de festa, sublinhados pelos golos de Alan, do lateral Andrezinho e de Desmarets, numa noite de glória vitoriana.

No final prosseguiu a festa! Primeiro no estádio, com Cajuda, o grande timoneiro a sair em ombros, e depois na praça de festas da cidade. O Toural manteve-se insone durante toda a noite, com os ídolos a serem vitoriados pela fantástica e memorável temporada que iria permitir ao clube entrar no play-off da milionária Liga.

Aí encontraria o Basileia e a alegria tornar-se em raiva… o sonho em pesadelo… mas estas linhas são de alegria e não para reavivar as dores atrozes sofridas a seguir ao cabeceamento de Roberto.

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

©2020 MAIS GUIMARÃES - Super8

SUBSCRIÇÃO GRÁTIS

RECEBA O JORNAL MAIS GUIMARÃES

NO SEU EMAIL

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?