O custo das incoerências

Por Eliseu Sampaio.

O Presidente da Câmara Municipal de Guimarães anunciou que vai permitir a realização semanal da feira retalhista e do mercado municipal, após a Resolução do Conselho de Ministros que delegou nas autarquias a decisão sobre a realização de feiras e mercados de levante.

Guimarães assume assim que vai cumprir com todas as condições de segurança e normas determinadas pela Direção Geral de Saúde, como é exemplo o controlo da lotação do recinto, a higienização e o uso obrigatório de máscara, bem como a vigilância por parte de equipas municipais e autoridades policiais.

É assim reposta alguma justiça e igualdade de tratamento destes comerciantes comparativamente com os seus concorrentes. Acredito que ninguém era capaz de perceber a manutenção da dualidade de trato do Governo entre comerciantes das feiras e mercados e os restantes que, mesmo tendo os seus negócios em espaços fechados, puderam mantê-los em funcionamento, embora as conhecidas restrições.

O que pedimos a este momento é que, quem nos governa consiga orientar este país de modo a que, simultaneamente, os serviços de saúde aos cidadãos estejam salvaguardados e a economia não se afunde, colocando um grande número de portugueses, ainda mais portugueses, em situação muito difícil.

Ao longo destes meses de pandemia assistimos a vários episódios de incoerências, de exceções, justificadas tantas vezes de forma caricata. Episódios que só contribuíram para a descredibilização do apelo que nos é feito constantemente por quem está no terreno, por quem vive e sente as dificuldades, o apelo para que nos protejamos e, com isso, protejamos os nossos e a nossa comunidade. Resumindo, que neste combate, ocupemos o nosso lugar e façamos a nossa parte.

O exemplo, de responsabilidade, de seriedade, de foco e de sentido de orientação, tem de vir sempre de cima.

©2021 MAIS GUIMARÃES - Super8

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?