Rui Armindo Freitas: “O impacto económico vai ser dramático”

Rui Armindo Freitas, economista e gestor de empresas, em entrevista ao “Em casa, à conversa com…”. A entrevista está disponível na íntegra no Facebook e no canal do YouTube do Mais Guimarães.

© DR

Mais Guimarães (MG): Nas empresas às quais está ligado, há uma grande transformação neste período? Como estão a ser geridas as coisas?

Rui Armindo Freitas (RAF): Há uma grande transformação. Desde logo, porque, se calhar, estamos a falar do evento mais dramático em termos económicos, desde que temos memória. Já tivemos várias crises, algumas recentes, mas nunca tivemos uma crise desta proporção. Nem a tivemos com um mundo tão globalizado, nem desta magnitude. Para além de tudo isso, ligado a uma coisa que nos é muito cara: uma crise sanitária, que tem que ver com a segurança e saúde de todos nós, que é aquilo que nos faz muitas vezes tomar decisões mais ou menos irracionais, porque mexe naquilo que nos é mais instintivo: a nossa própria vida. É uma mudança em tudo que tem a ver com as empresas. Tudo aquilo que faço está maioritariamente ligado à indústria têxtil, como a maioria das pessoas da região, e, naturalmente, estão a acontecer muitas transformações. As transformações dão-se, desde logo, porque nos mercados tradicionais onde nos movemos estamos a ter um abrandamento profundo, porque não existe procura. Sendo que as pessoas estão em casa, naturalmente há um choque na procura muito violento. Não há relação social e, por isso, seja no têxtil, na restauração, seja… é transversal a toda a economia. Para consumirmos temos que ser agentes sociais. Mais do que agentes económicos, agentes sociais. Se estamos privados de uma dimensão tao importante, como a dimensão social, naturalmente que a economia, com o decorrente da interação social entre as pessoas, surge altamente prejudicada. Nesta fase aquilo que temos de fazer é olhar para o presente com o medo e o dramatismo que é decorrente de tudo isto, mas olhar para o futuro e olhar para as oportunidades que começam a surgir todos os dias. Mais do que qualquer outra coisa todos os agentes económicos são capazes da transformação e da adaptação. Isto vem-nos dar grandes lições e vem-nos mostrar que se calhar também podemos seguir outros caminhos. Veio mexer com tudo que tínhamos de adquirido e com todas as seguranças que tínhamos e planos. Contudo, mostra-nos um admirável mundo novo, desde a forma como se faz comércio nos dias de hoje, a forma como se estão a reorganizar as empresas… tudo isso. Com alguns desafios e preocupações, não podemos olhar só para aquilo que é negativo nesta fase, mas olhar também para as oportunidades.

MG: Houve, desde logo, uma transformação na produção de algumas empresas têxteis que, de imediato, passaram a produzir equipamento de proteção hospitalar.

RFA: O nosso tecido industrial regional esteve e está há muito tempo ligado um fenómeno de pronto moda, ou seja, não há empresas mais rápidas a produzir do que as empresas da nossa região. Assim, quando surgiu logo uma série de desafios relacionados, como o Rotary, que fez um apelo aos seus quadros para verem se conheciam alguém que pudesse produzir… Foi fácil falar com fornecedores e com clientes, porque as pessoas aqui estão prontas para ajudar, em primeira análise, e depois para se convertem muito mais rápido noutro sítio qualquer. Tendo em conta o valor acrescentado da moda que as nossas empresas são capazes de produzir todas as semanas, de repente pedir para fazerem uma farda hospitalar é uma coisa básica. Em três dias conseguem começar a entregar um produto pronto, porque são rápidos, versáteis e porque, mais do que outra coisa, nesta região as pessoas têm uma fibra de muitos anos nesta indústria, que conseguiram pôr imediatamente ao serviço de toda a comunidade. Guimarães acaba por ser um exemplo de, quando uma sociedade e uma comunidade se mobilizam, todas as dificuldades passam a ser muito menores para todos.

MG: Acredita que essas empresas vão manter-se a produzir esse material hospitalar durante algum período?

RFA: Acredito que, no meio desta tristeza que todos os dias nos assola, com os números de casos a aumentar, o número de mortos a aumentar, a perda de entes queridos, à medida que pomos nomes às pessoas, começamos a conhece-las também, surgem oportunidades. E muita desta nossa indústria da moda pode também encontrar novos nichos de mercado. No futuro pode estar a produzir moda, mas também equipamento hospitalar…. Numa quantidade maior em relação ao seu portefólio de produtos que não tinha no início disto. E a capacidade de se adaptar. Tenho a certeza que isso vai acontecer, mas também tenho outra convicção, que tem a ver comas alterações na forma como todo o mundo está organizado. Se olharmos do ponto de vista global para grandes companhias, como a Apple, que, de repente, quando surge uma doença nova na China, parou e percebeu que tendo a sua produção toda focada ali iria ter um problema grave porque não ia ter produto para poder vender no seu mercado… Assim, se olharmos também para as grandes companhias, algumas delas até estavam a reduzir a sua exposição em Portugal. Isto veio mostrar que da mesma forma que, como os nossos avós nos ensinavam, não devemos por os ovos todos no mesmo sítio. Na parte operativa e operacional nunca as empresas tiveram esse cuidado, o de dispersar geograficamente a sua produção. Iam a essencialmente atrás de margem. Isto vem mostrar que talvez o futuro passe por dispersar as produções mesmo que signifique ter a margem mais baixa, ou seja, um custo medo mais alto.

MG: Relativamente ao desemprego, tem uma estimativa de uma taxa a que podemos chegar?

RFA: É impossível dar um número, mas a verdade é que é inevitável que dispare. Nunca teremos um cenário igual ao americano porque é um cenário diferente, sem qualquer tipo de proteção laboral. Aqui, na Europa, é tudo mais lento. Contudo, é natural que a taxa de desemprego vá disparar, porque não vamos sair desta crise como entramos. Com o abrandamento total da economia em dois, três, quatro meses, é uma coisa nunca vista. O impacto económico vai ser dramático porque a desaceleração é dramática. No período da troika tivemos abrandamentos na casa dos 20 a 30% ao longo de três, quatro anos. Agora pensem no que é isto condensado em meses…. Todo aquele sofrimento condensado em meses não só num país, mas em todos os outros com quem temos relações. Em termos de emprego vai-se sentir, logicamente, e depois vai sempre depender da forma como vamos reagir a isto. Há economistas que dizem que vai ser em “V” uma aceleração, outros dizem que é em “U”, eu também acredito que seja em “U”. Obviamente que as curvas nunca são lineares, mas acho muito sinceramente que nós vamos perder poder de compra e, ao perdermos poder de compra, no regresso que vai acontecer, mesmo que queiramos todos consumir o mesmo, não vamos consumir, porque, desde logo, não temos o mesmo poder de compra que tínhamos antes de isto começar.

MG: Que conselhos deixa para os empresários lidarem com este período mais conturbado e difícil?

RFA: Não dá para construir um modelo em cima disto, por ser tão novo. As consequências são tão novas que a minha opinião não é melhor do que a tua, ou, por exemplo, a tua não é melhor do que a minha. Temos que ter esta abertura de espírito e solidariedade, porque só com troca de ideias é que vamos conseguir ultrapassar isto. Depois, temos de estar sempre com olhos postos no futuro, por mais que o presente nos pareça negro. Olharmos e vermos que as oportunidades vão estar a surgir. Vão ser oportunidades de consolidação de empresas. Empresas vão ficar maiores porque vão adquirir outras que vão estar em dificuldade. Temos que estar com olhos postos no futuro e ver que oportunidades de negócio vão surgir. A forma como podemos dar as melhores condições àqueles que fazem parte das nossas equipas. Para mim, hoje é mais importante ligar às pessoas para ver se estão bem, do que propriamente o que estão a fazer. Todos juntos vamos sair disto. A nossa preocupação, a criação de relação pessoal, vai fazer com que todos juntos sejamos capazes de ser mais fortes no dia de amanhã.

Com Mafalda Oliveira

©2020 MAIS GUIMARÃES - Super8

Publicidade

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?