Dia Internacional do Café: mitos e factos sobre a segunda bebida mais consumida do mundo

Cheio, normal, pingado, em chávena escaldada ou em chávena fria, com ou sem açúcar, em cápsula, em galão ou em meia de leite. Hoje celebra-se o Dia Internacional do Café.

© Direitos Reservados

O café é a segunda bebida mais consumida em todo o mundo (apenas superado pela água) e a cafeína é dos compostos mais estudados. No entanto, continuam a existir muitos “mitos” em torno da substância (a cafeína) e da bebida (o café) e o impacto que têm na nossa saúde.

Para dar respostas a estas dúvidas, a Organização Internacional do Café criou um programa – Café & Saúde – que responde a estas questões, com base em evidências científicas. É já sabido que o consumo de café contribui para o aumento do estado de alerta, melhoria de atenção, tempo de reação e memória, através do efeito estimulante da cafeína. Nos últimos anos, o café tem sido alvo de estudos, sobretudo sobre os benefícios e malefícios desta bebida, não se tendo comprovado uma acção prejudicial à saúde.

Factos:

• Estudos comprovam os benefícios do principal composto, a cafeína, para atenuar uma dor de cabeça, prevenir patologias graves, como as doenças Parkinson ou Alzheimer.

• No caso da patologia Diabetes tipo II, um estudo norte-americano, publicado no Centro de Investigação de Medicina Baseada na Evidência, da Faculdade de Medicina de Lisboa, revelou que o consumo de cerca de quatro chávenas de café por dia pode diminuir o risco da doença em 28%.

• O café pode retardar a deterioração mental das pessoas que sofrem da doença de Alzheimer, segundo um estudo americano da University of South Flórida (USF). Segundo os investigadores, quem bebe cerca de quatro chávenas de café por dia reduz em mais de 50% a possibilidade de desenvolver a doença.

• Um estudo da European Food Safety Authority (EFSA) mostra que existe uma relação causa-efeito entre a ingestão de uma chávena de café e os benefícios para a saúde, como o aumento da concentração, melhor desempenho no trabalho, condução e humor.

• Um estudo levado a cabo por Steven Miller na Universidade Militar de Ciências da Saúde (USUHS), em Bethesda, nos Estados Unidos da América, mostra que há uma hora certa para beber café, sendo o melhor período entre as 9h30 e as 11h30.

Mitos:

• MITO: Beber café aumenta o risco de doença cardiovascular. Na verdade, o consumo moderado de café não está associado a um maior risco de problemas cardiovasculares (como doenças e ataques cardíacos, arritmia ou hipertensão). Pelo contrário, vários estudos sugerem que o café pode ajudar a reduzir este tipo de patologia.

• MITO: As grávidas não devem beber café. Na verdade, a recomendação é que as mulheres grávidas limitem a dose diária de cafeína para 200-300mg/dia, o que não significa eliminar o consumo. Desta forma, não há qualquer inconveniente em ingerir até duas chávenas (cerca de 80-100mg) diárias de café.

• MITO: O consumo de café vicia. Na verdade, a remoção de cafeína da dieta normal pode levar a sintomas temporários de abstinência em algumas pessoas, como dores de cabeça, que podem ser evitados por uma redução gradual da ingestão de cafeína.

• MITO: Descafeinado é mais saudável do que café. Na verdade, o descafeinado é apenas uma opção para os indivíduos que possuem sensibilidade à cafeína ou que sentem dificuldade a dormir. Ambos são ricos em anti-oxidantes.

• MITO: Um ou dois cafés por dia é o consumo moderado aconselhado. Na verdade. com excepções das grávidas e grupos específicos de doentes coronários e sensíveis à cafeína, o consumo médio indicado é de 3-4 chávenas diárias.

©2022 MAIS GUIMARÃES - Super8

Publicidade

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?