NO DIA DA FREGUESIA DE POLVOREIRA, DESVENDOU-SE O PASSADO

Biografia histórica de Gil Martins foi apresentada na sessão comemorativa. Para o presidente da Junta de Freguesia de Polvoreira, o importante de momentos como este — na sua primeira edição — é “a união”. Domingos Bragança espera ver comemorações replicadas por outras freguesias do concelho.

José Vitorino Gonçalves de Neiva, presidente da Junta de Freguesia de Polvoreira entre janeiro de 1975 e dezembro de 1979, recebeu a medalha de mérito. ©CMG

A história milenar de Polvoreira está a ser estudada por dois filhos da terra que partilham, entre si, laços familiares. Nuno Maria Abreu e Nuno André Abreu, avô e neto, respetivamente, apresentaram, este domingo, na Blackbox da Fábrica ASA, uma biografia histórica de Gil Martins de Riba de Vizela, “o primeiro polvoreirense devidamente documentado”. Segundo as notas bibliográficas consultadas pelos dois investigadores, Gil Martins terá nascido naquela terra entre 1210 e 1220, a 05 de janeiro. E foi precisamente esse o dia escolhido para celebrar o Dia da Freguesia de Polvoreira, numa iniciativa da junta de freguesia que visou unir as gentes daquela terra.

Os polvoreirenses atenderam à chamada, participando num evento que distinguiu, entre outros, os melhores alunos das escolas da freguesia, para além da medalha de mérito atribuída a José Vitorino Gonçalves de Neiva, presidente da Junta de Freguesia de Polvoreira entre janeiro de 1975 e dezembro de 1979.

O presidente da junta, Carlos Oliveira, explicou que momentos como o que se assitiu na Blackbox da Fábrica ASA ajudam a estimular, nos polvoreirenses, um sentido de pertença. A linha férrea, a estrada nacional e o troço da autoestrada podem deixar a população “separada”, mas iniciativas como esta podem vir a uni-la. “O importante deste momento é a união”, considerou o presidente da junta. Os trabalhos de pesquisa ainda não estão terminados: “A história é longa e vamos trabalhar ao longo do ano para que, em dois anos, tenhamos a história da freguesia.”

Trazer à tona dados históricos como o que foi apresentado na sessão é, para o presidente da Câmara Municipal de Guimarães, Domingos Bragança, parte de “uma celebração muito importante”. O Edil disse que, homenageando-se “todos aqueles que, através da história e muito das raízes de Polvoreira, formaram esta identidade geográfica e social”, protege-se um “legado” para “os vindouros”. Questionado se gostaria de ver cerimónias semelhantes noutras freguesias do concelho, o autarca garantiu: “Gostava e incentivo a que cada freguesia celebre o seu dia de aniversário ou o dia que entendam que deverá ser a celebração da sua identidade social.”


©2020 MAIS GUIMARÃES - Super8

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?