ATÉ AO DIA QUE O HOMEM PERCEBER QUE NÃO PODE COMER O DINHEIRO

por Luís Garcia

Qual o futuro dos nossos vindouros que jamais terão a possibilidade de usufruir, na sua plenitude, dos nossos recursos naturais?

Os nossos rios e riachos são gravemente manchados pela promiscuidade do homem, em grande parte das vezes, em silêncio sobre o sossego da noite.

Exemplos como o Ave, o Selho, que apesar de todas as tentativas para a sua requalificação, são alvo constantes de agressões poluentes que dizimam toda a sua fauna, e provocam espaços de lazer em autenticas lixeiras.

Este pretérito mas presente tema surge à baila porque em pleno século XXI os atentados aos nossos recursos são sucessivos e teimam em reincidir sobres os mesmos caudais e sobre as mesmas suspeitas.

Se já não estivemos pior? Já! Mas não podemos aceitar que esta premissa, por si só, seja suficiente para que se continue a permitir e legitimar a depravação daquilo que não é renovável, que é limitado, que esgota.

Como podemos por ventura aceitar que se continue a desprezar aquilo que nos garante a sobrevivência? Que nos assegura a utilidade? Que nos confirma a existência? Que nos viabiliza a evolução?

Como podemos erguer as tintas, as lavagens, os pós de pedreiras, as lamas industriais, os plásticos e os dejectos em prol das águas com as quais a natureza nos brindou?

Como podemos manter uma relação desimpedida, irresponsável e descomprometida com o nosso ecossistema? Como podemos inviabilizar a vida da Terra? Como podemos quebrar a sinergia dos meios?

Está na altura de educar, condenar e prosseguir. Está na altura de garantirmos o nosso lugar, assegurar o nosso espaço e respeitar o ambiente. Penalize-se quem polui e castigue-se quem pactua! É altura de abrir os olhos e de perceber que no reverso da moeda estamos nós, aqueles que vão carregar com as consequências.

Está na altura de acabar com os interesses instalados num sistema de destruição massiva.

É agora hora de envolver, preservar e defender aquilo que outrora foi pão para matar a fome e foi água para matar a sede. Esta é uma responsabilidade de todos.

Vamos criar laços e construir pilares. Vamos ser racionais e conscientes. Vamos ser parte integrante do meio ambiente. Porque “quando a última árvore cair, o último rio secar e o último peixe for pescado, o homem vai perceber que não pode comer o dinheiro”.

 

0 Comentários

Envie uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

©2018 MAIS GUIMARÃES - Super8

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?