DUPLA DE GUIMARÃES NO MUNDIAL JOVEM DE KICKBOXING

Leonardo Guimarães, de 17 anos e Bárbara Coelho, de 16 anos, da KTF Team Associação Desportiva, de Guimarães, estiveram ao serviço da seleção de kickboxing, em representação de Portugal, no Campeonato do Mundo de Cadetes e Juniores(WAKO), em Dublin, na Irlanda, ao longo de toda a semana passada.
1
Para os dois atletas vimaranenses foi a primeira chamada à seleção nacional, “e logo para ir a um Campeonato do Mundo”, como dizia Bárbara antes de partir.
O treinador da KTF Team, Ivo Cardoso, dedicou as últimas semanas a treinar especificamente estes atletas. “Depois de sabermos da convocatória, não podia haver férias para ninguém”, dizia o treinador alguns dias antes da partida, num momento em que treinava os dois lutadores numa sala sem qualquer outro atleta. “Os outros estão de férias nesta altura”, explicava o treinador.
Leonardo e Bárbara não pareciam nada preocupados por estarem a perder os dias de praia. Apesar de terem partido para Dublin no início da semana passada, os dois atletas só competiram na quinta-feira, dia um
de setembro. Um campeonato de Kickboxing passa, antes de mais, pelas pesagens e pelas verificações médicas e depois há diversas disciplinas e categorias, masculinas e femininas. No total eram centenas de atletas em competição.

Leonardo combate em Lightkick, na categoria de -57 kg. Nesta categoria havia 17 atletas em competição.
Quis a sorte, ou a falta dela, que calha-se ao português, logo no primeiro combate, o húngaro Veres Roland, que acabou por se sagrar campeão do mundo. Foi um combate equilibrado, que no final acabou por pender para o lutador magiar. O lutador húngaro era mais alto, mas sobretudo, mais experiente e isso acabou por determinar o
resultado do combate. O húngaro era campeão do mundo de Light Contact e Point Fighting, em 2015. “A nível internacional é assim: há atletas muito bons e o importante é eles tirarem destas experiências ensinamentos para o futuro”, explica o treinador.3

No mesmo dia tocou a Bárbara combater com Kinga Kolozsvsri, também da Hungria. Mais uma lutadora com experiência e currículo internacional, a contrastar com a primeira internacionalização da vimaranense. Bárbara Coelho ficou-se pelo primeiro combate e viu a sua adversária ir até à final, onde acabou por perder com a lutadora italiana. “Na seleção portuguesa, nós éramos os únicos que íamos pela primeira vez”- lamenta Bárbara – “a nível de resultados não foi tão bom como eu gostaria”.
Ao nível das categorias femininas Portugal acabou por se destacar através de outras atletas como Sofia Oliveira, de Famalicão. A lutadora sagrou-se campeã do mundo de Lightkick (-60 Kg) com um percurso em prova imaculado. No primeiro combate derrotou a bósnia Ajla Vojic (3-0), no segundo combate eliminou a britânica Wetten Megan (3-0) e na final conquistou a medalha de ouro frente à turca Sisman Yerenur (3-0). A trofense Vanessa Soares teve um percurso mais fácil, já que na sua categoria, Lightkick (-65 Kg), só havia duas lutadoras e, portanto, realizou uma final direta. Ainda assim, venceu a turca Eylem Kaya Hanin e trouxe para casa o ouro. Na categoria de Lightkick (-52 Kg) as portuguesas Inês Correia e Ana Pinto fizeram uma final direta entre elas com vantagem para Inês Correia, que dessa forma arrecadou o terceiro ouro das femininas portuguesas neste Campeonato do Mundo.2

A história das primeiras participações internacionais de atletas que são hoje reconhecidos foi assim, como a de Leonardo e Bárbara, sem medalhas, mas com muita aprendizagem para que no futuro possam voltar mais fortes. No dia em que o Leonardo e Bárbara voltarem para casa com medalhas ao peito, vamos lembrar-nos que foi aqui que eles começaram.

©2020 MAIS GUIMARÃES - Super8

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?